RMS soma mais 51 mil desocupados só nos últimos 12 meses, diz pesquisa

Autor: A Tarde

Publicada em


A taxa de participação aumentou de 57,8% para 58,6%. (Foto: Divulgação)

A taxa de desemprego total na Região Metropolitana de Salvador (RMS) cresceu, entre os meses de março de 2017 e de 2018, ao passar de 23,9% para 25,7% da população economicamente ativa (PEA). Esse resultado decorreu do aumento da taxa de desemprego aberto, que passou de 16,5% para 18,7%, e da redução da taxa de desemprego oculto (em que se considera quem exerce algum tipo de ocupação, ainda que provisoriamente), de 7,5% para 7,0%.

O contingente de desempregados elevou-se em 51 mil pessoas, totalizando 513 mil pessoas em março deste ano. Tal comportamento deveu-se ao aumento da PEA (64 mil pessoas ingressaram na força de trabalho da região, ou 3,3%) em número superior ao crescimento da ocupação (geração de 13 mil postos de trabalho, ou 0,9%). A taxa de participação aumentou de 57,8% para 58,6%.

As informações foram captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), que mostra que, em relação a fevereiro deste ano, a situação ficou praticamente estável: 25,5% para 25,7% da PEA, com mais três mil desempregados em relação ao mês anterior.

Vagas insuficientes

A pesquisa revela ainda que, embora tenha sido registrado um aumento de empregos em determinados setores (construção, por exemplo), o número de novas vagas geradas nos últimos doze meses ficou insuficiente diante da elevação de pessoas aptas as trabalhar e que estão sem ocupação. No período, o emprego assalariado declinou (-4,6% ou -45 mil), devido ao decréscimo no setor privado (-3,4% ou -29 mil) e no setor público (-12,6% ou -16 mil).

No setor privado, reduziu-se o número de assalariados com carteira assinada (-5,7% ou -42 mil), enquanto elevou-se o contingente de trabalhadores sem registro em carteira (12,3% ou 13 mil) e aumentou o contingente de trabalhadores autônomos (19,9%).