Apesar de reajuste, sindicato deve manter greve dos Correios

Apesar de reajuste, sindicato deve manter greve dos correios
Apesar de reajuste, sindicato deve manter greve dos correios Sintect-Cas/Divulgação

Apesar de reajuste, sindicato deve manter greve dos Correios

Apesar do reajuste salarial de 2,6% anunciado na tarde desta segunda-feira (21), os funcionários dos Correios não devem encerrar a greve iniciada em 17 de agosto.

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (FENTECT) agendou assembleias com os sindicatos filiados na manhã desta terça-feira (22) e com os profissionais da categoria no período da tarde para definir sobre a continuidade da paralisação.

>Milhões de beneficiários do Bolsa Família não receberão auxílio de R$ 300 – entenda

>Fazer autoescola para tirar Habilitação (CNH) pode se tornar opcional

“Para nós, a greve continua. Não dá para aceitar o que os ministros do TST fizeram conosco. Amanhã, não vamos voltar ao trabalho, vamos debater o que vai acontecer com a gente”, afirmou José Rivaldo da Silva, secretario-geral da federação.

Na avaliação de Rivaldo, a decisão do TST que obriga os trabalhadores a retomarem as atividades nesta terça-feira, com uma multa diária de R$ 100 mil, foi de “cunho político, não jurídico”.

>INSS: décimo quarto (14º) salário pode ter valor modificado – entenda

>Atenção! Pente-fino do INSS ameaça cortar milhões de benefícios

Greve não foi abusiva

Nesta segunda-feira, o TST decidiu que a greve não foi abusiva. Com isso, metade dos dias de greve será descontada do salário dos empregados. A outra metade deverá ser compensada.

Relatora do processo no TST, a ministra Kátia Arruda votou contra a declaração da greve como abusiva – o que levaria ao desconto integral das horas não trabalhadas.

>Secretaria abre inscrições para renda emergencial de R$ 600 no RJ

>Caixa libera saques e transferências para auxílio emergencial e FGTS

A magistrada disse que a paralisação foi a única solução encontrada pelos trabalhadores, diante do fato de que a empresa tinha retirado praticamente todos os direitos adquiridos da categoria.

“É a primeira vez que julgamos uma matéria em que uma empresa retira praticamente todos os direitos dos empregados”, afirmou.

Em comunicado divulgado na noite desta segunda-feira, os Correios afirmaram que o TST determinou o encerramento da greve e que desde julho “tentaram negociar os termos do acordo coletivo, em um esforço para fortalecer as finanças da empresa e preservar sua sustentabilidade.

Fonte: G1

Veja mais