Autoridades reduzem o número de mortos em tragédia com embarcação

Autoridades baianas revisaram o número de vítimas fatais da tragédia

Autor: Simões Filho Online

Publicada em


Autoridades baianas revisaram o número de vítimas fatais da tragédia com uma lancha na Baía de Todos-os-Santos, na travessia Mar Grande – Salvador. Em coletiva na tarde desta quinta-feira (24/8), representantes da prefeitura de Vera Cruz, na região metropolitana de Salvador, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar disseram que, ao menos, 18 pessoas morreram no acidente.

Na manhã desta quinta-feira, a informação inicial da Capitania dos Portos, era de que 22 pessoas tinham morrido no acidente. Porem, o número foi revisado e corrigido por volta das 15h50.

De acordo o Instituto Médico Legal foram identificados os corpos de Antônio de Jesus Souza, 67 anos; Tiago Henrique de Melo Barreto; Tais Medeiros Ramos de Sales, 32; Ivanilde Gomes da Silva, 70 anos; Darlan Queiroz Reis Julião, de apenas dois anos; Lais Pita Trindade, 20 anos; Dulciana dos Santos Queiroz, 38 anos; Rosemeire Novaes Carneiro da Costa, Sandra Lima dos Santos; Dulcelina Machado dos Santos e Isnaildes de Oliveira Lima, escrevente de cartório da Vara Cível da Comarca de Itaparica.

Por meio de nota, o governador Rui Costa decretou três dias de luto oficial, contados a partir de hoje, por conta da tragédia. “Manifesto minha solidariedade aos familiares das vítimas. Todas as forças do Governo do Estado estão mobilizadas para dar assistência e prestar socorro às vítimas. Estou acompanhando pessoalmente esta difícil operação desde cedo e todas as providências foram tomadas imediatamente”.

Auxílio

O apoio às buscas realizadas pela Capitania dos Portos começou ainda no início da manhã, com a participação da PM, através do emprego 115 policiais e o auxílio de 15 viaturas, três motocicletas, duas aeronaves, dois quadriciclos, uma lancha, uma base móvel e um caminhão tanque e do Corpo de Bombeiros, com dezenas de profissionais, dentre eles, 13 mergulhadores.

Os profissionais atuaram não só na procura pelos sobreviventes, com patrulhamento nas vias aéreas e marítimas, como também colaboraram para o deslocamento destas pessoas às unidades de saúde.