Bahia reduz em 74% a fila de espera de pacientes para leito de UTI

Bahia reduz em 74% a fila de espera de pacientes para leito de UTI
Bahia reduz em 74% a fila de espera de pacientes para leito de UTI. Foto: Secom

Bahia reduz em 74% a fila de espera de pacientes para leito de UTI

Em entrevista nesta segunda-feira (05), o secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas falou sobre a diminuição da fila de espera por leitos de UTI que, segundo a pasta diminuiu em cerca de 74% em comparação com o pior momento da segunda onda de infecções no estado, quando 513 indivíduos chegaram a compor a espera para regulação em um único dia.

>>Simões Filho registrou 63 novos casos de coronavírus no feriado de Páscoa

Segundo Vilas Boas, apesar da melhora no cenário da segunda onda, os números ainda preocupam muito. números. “Atualmente parte destes pacientes são da região Sudoeste que não tem tantos leitos, o Governo abriu na última sexta, 10 leitos e a previsão é de colocar mais 10 em operação nessa região. Um dos pontos que também retardam o processo de redução da fila é que familiares recusam a transferência e deixam os pacientes em estruturas menos equipadas”, explicou.

>>Entenda como vai funcionar a nova rodada do auxílio emergencial

Retorno das atividades não essenciais

Com a melhora dos números, uma determinação estadual permitiu a retomada das atividades presenciais parcialmente em toda a Bahia a partir desta segunda (05), contudo, conforme o secretário, a qualquer sinal de piora a gestão terá de voltar atrás.

>>Mudanças no Código de Trânsito começam a valer em abril; entenda

“Ninguém tem o poder de antever o futuro, a flexibilização acontecerá de forma rigorosa, vamos acompanhar ao longo dos dias, no entanto, qualquer sinal que aponte uma piora nos índices teremos de voltar atrás. O risco é o desgaste de abrir e fechar e com isso, a população vai deixando cada vez mais de aderir as medidas. A pressão é muito grande da sociedade para que se flexibilize e nós da área da saúde temos que dar o suporte para o retorno da ‘vida normal”, concluiu.

Veja mais