Bolsonaro desiste de Renda Brasil e Bolsa Família segue até 2022

Bolsonaro desiste de Renda Brasil e Bolsa Família segue até 2022
Bolsonaro desiste de Renda Brasil e Bolsa Família segue até 2022 – reprodução

Bolsonaro desiste de Renda Brasil e Bolsa Família segue até 2022

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reagiu hoje ao noticiário de que a equipe econômica do seu governo considera o congelamento de aposentadorias para financiar o Renda Brasil. Bolsonaro não só negou o possível congelamento, como deu por encerrada até 2022 a discussão sobre o programa social que deveria substituir o Bolsa Família, criado durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, afirmou o presidente em vídeo publicado em suas redes sociais.

>Caixa libera hoje abono salarial para nascidos em setembro

>Novo Bolsa Família: provável valor do Renda Brasil é revelado

Desde ontem, a imprensa brasileira tem repercutido uma declaração do secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues. Em entrevista ao G1, o integrante da equipe econômica liderada pelo ministro Paulo Guedes disse que defendia a desvinculação de benefícios previdenciários como aposentadorias e pensões do salário mínimo.

– Congelar aposentadorias, cortar auxílio para idosos e pobres com deficiência, um devaneio de alguém que está desconectado com a realidade.

– Como já disse jamais tiraria dinheiro dos pobres para dar aos paupérrimos. pic.twitter.com/5j3oI6vcSK

— Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) September 15, 2020

>Bolsa Família alcança 14,283 milhões de famílias em julho

>Governo edita medida provisória com auxílio emergencial de R$ 300 até dezembro

A medida defendida pelo secretário abriria espaço no Orçamento para financiar o Renda Brasil, já que na prática a desvinculação acarretaria num congelamento das aposentadorias. Segundo Rodrigues, ficaram sem reajuste por dois anos aposentadorias no valor de um salário mínimo, assim como benefícios com valores mais altos.

As aposentadorias e pensões hoje são reajustadas anualmente de acordo com o salário mínimo, que também tem reajuste anual. O reajuste acaba sendo pelo menos pela inflação porque a Constituição determina que o aumento do mínimo não possa ser abaixo disso.

>Filas e reclamações pelo país marcam a volta de atendimento presencial do INSS

>Proposta prorroga isenção da conta de luz para quem tem Bolsa Família e Cadastro Único

Renda Brasil substituiria Bolsa Família

Nos últimos meses, o Renda Brasil vinha sendo defendido pela equipe econômica de Bolsonaro como o sucessor do Bolsa Família, benefício instituído em 2003 por Lula e que unificou e ampliou programas existentes no governo anterior, de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

A criação do Renda Brasil também ajudaria a dar continuidade ao pagamento de benefícios sociais que têm sido fundamentais para a economia durante a pandemia do novo coronavírus, como o auxílio emergencial, destinado principalmente a trabalhadores informais.

Fonte: Uol

Veja mais