Briga, confusão e quebra-quebra causa manhã de pânico em escola de Simões Filho

Autor: Simões Filho Online

Publicada em


Colégio Estadual Reitor Miguel Calmon, localizado Bairro Ponto Parada, em Simões Filho. Foto: Reprodução

Uma briga generalizada no Colégio Estadual Reitor Miguel Calmon, localizado na Rua General Labatut, Bairro Ponto Parada, em Simões Filho, na região metropolitana de Salvador (RMS), terminou com pancadaria, objetos quebrados e alunos conduzidos a Delegacia.

Alunos e professores de uma das escolas mais tradicionais e que já foi referência em qualidade de ensino, viveram situação de pânico e vandalismo no fim da manhã de ontem. O quebra-quebra entre estudantes desencadeou uma série de cenas de descontrole no colégio. Objetos quebrados, socos, pontapés, estudantes trancados nas salas de aula e intervenção policial.

A escola vai completar 39 anos. Fundada em 1979, teve grande importância para o desenvolvimento econômico da região metropolitana, fornecendo profissionais da área de mecânica e eletrotécnica. O colégio atendia a demanda de estudantes de Simões Filho e também de outros municípios como Candeias, Camaçari, Lauro de Freitas, e da própria capital Salvador, se destacando como o principal formador de mão de obra industrial qualificada.

“A direção da escola perdeu o controle, isso já vem acontecendo durante todo ano letivo e chegou a extremo, relata a mãe de um aluno, que pediu para não ser identificada, por medo de represália ao filho. Segundo ela, marginais estão transitando livremente dentro da escola fazendo uso e comercializado drogas, levando a violência para dentro da unidade de ensino. “Alunos e funcionários estão sendo ameaçados e correndo perigo“, alerta.

Uma funcionária, que tem medo de ser identificada, conta que já existe um histórico de problemas com os alunos e pessoas que não estudam na unidade.

QUEBRA-QUEBRA

Segundo os estudantes, o tumulto começou por volta das 10h00, no intervalo entre as duas últimas aulas da manhã. A briga foi por causa da fila da merenda.

Segundo informações da mãe de um aluno, dois jovens tentaram entrar na frente de um estudante, que não permitiu que a fila fosse furada, iniciando uma intensa discussão, seguida de socos e pontapés. Amigos deles aumentaram ainda mais o tumulto, inclusive, com jovens que não estudam na unidade de ensino. Alguns objetos da escola foram quebrados durante a briga. “Todo mundo apanhou, até meninas que estavam na fila. Nem a diretora e a vice diretora escaparam ao tentar separar a briga”, disse.

“Um dos envolvidos na briga, não era aluno e teve acesso livre ao Colégio. Isso é um absurdo”, acrescentou.

O quebra-quebra entre estudantes desencadeou uma série de cenas de descontrole no colégio. Foto: Reprodução

Os responsáveis pela escola não conseguiram conter a briga e recorreram ao reforço do Pelotão de Emprego Tático Operacional – PETO, para controlar a situação.

Em nota, a Polícia Militar (PM) informou que de imediato as guarnições do centro deslocaram para o local e constatou a veracidade dos fatos. Dois alunos, identificados pelas iniciais C.N.S e T.S.S, foram conduzidos a 22ª Delegacia Territorial, que fica a alguns metros da unidade educacional.

Até a publicação desta matéria, o SIMÕES FILHO ONLINE não conseguiu entrar em contato com a unidade de ensino.

VEJA MAIS NOTÍCIAS DE SIMÕES FILHO