Câmera interna mostra ação de atirador que matou quatro em Igreja

Autor: Redação

Publicada em


Foto: Eliane Gonçalves/Rádio Nacional
Do Aratu Online, parceiro do Simões Filho Online

Uma câmera interna registrou a ação do atirador identificado com Euler Fernando Grandolpho, 49 anos, que abriu fogo na Catedral Metropolitana de Campinas, no estado de São Paulo, por volta das 12h desta terça-feira (11/2). Quatro pessoas morreram e outras quatro ficaram feridas. Em seguida, com a entrada de policiais no local, Euler se matou.

No vídeo, obtido pelo jornal Folha de S. Paulo, o homem aparece no lado esquerdo da tela logo após o término da missa. De repente, ele se levanta e dispara contra um grupo de pessoas sentadas atrás dele. Euler, então, caminha no local e  aparentemente recarrega sua arma. Dois PMs entram em seguida e a imagem acaba. De acordo com a publicação, a polícia informou que o atirador foi atingido pelos policiais, mas tirou a própria vida.

O vídeo a seguir contém imagens agressivas:


Vídeo: reprodução/Folha de S. Paulo

SOBRE O ATIRADOR*

Euler era morador de Valinhos, cidade vizinha a Campinas. Ele foi servidor concursado do Ministério Público do Estado de São Paulo, atuando como auxiliar de Promotoria I, na Comarca de Carapicuíba, região metropolitana de São Paulo. O Ministério Público de São Paulo informou que ele pediu exoneração do cargo em 3 de julho de 2014. O perfil de Euler em uma rede social, sem postagens, informa que ele estudou no Colégio Técnico da Unicamp e na Unip, em Campinas.

O delegado José Henrique Ventura, que acompanha as investigações do caso, informou que Euler Fernando Grandolpho não tem antecedentes criminais. “A profissão, ao que parece, é analista de sistemas. É uma pessoa fora de qualquer suspeita em circunstâncias normais. Agora, com a identificação, nós vamos investigar a motivação”, apontou.

A carteira de habilitação do atirador foi encontrada em uma mochila dentro da igreja. Ventura informou que será feita uma diligência à casa de Grandolpho para buscar informações que possam levar ao esclarecimento do crime. “Vamos fazer um levantamento da casa, de quem mora, se é casado. Os dados para saber os antecedentes antes dele chegar a Campinas”, explicou.

Investigações preliminares apontam que Grandolpho não conhecia as vítimas. “Estamos agora identificando as vítimas, porque o que nos interessava primeiro era saber quem era o atirador”, apontou o delegado.

As imagens de câmeras de segurança mostram que o atirador entrou na igreja, sentou em um dos bancos e começou a atirar em pessoas que estavam atrás dele. Ele tinha uma pistola e quatro carregadores. “Usou dois carregadores e tinha dois cheios com 22 cápsulas”, disse Ventura. Antes de se matar, o atirador foi atingido pela polícia.

Da redação, com informações da Folha de S. Paulo e Agência Brasil