Carteira de Estudante (ID) pode deixar de ser emitida pelo governo

.

Autor: Educa Mais Brasil

Publicada em


Carteira de Estudante (ID) pode deixar de ser emitida pelo governo
Carteira de Estudante (ID) pode deixar de ser emitida pelo governo

Carteira de Estudante (ID) pode deixar de ser emitida pelo governo.

O prazo para a ID estudantil ser aprovada por deputados e senadores termina neste domingo (16/2). Por isso, a carteira estudantil pode deixar de ser emitida pelo governo federal, já que a Medida Provisória (MP) 895/2019, que criou o documento de meia-entrada gratuita e digital para os estudantes, está perto de perder a validade sem ter sido aprovada.

Com isso, os estudantes têm até domingo para fazer o pedido gratuito do documento. No site da ID Estudantil não tem aviso sobre o fim das solicitações, mas o assunto foi comentado pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, em um canal no YouTube. Após a repercussão do caso, cerca de duas mil carteiras foram expedidas somente na última quinta-feira (13/2).

Antes da Medida Provisória ter sido aprovada, o ministério da Educação gastou R$ 2,5 milhões em publicidade para divulgar a ID Estudantil, conforme aponta a Lei de Acesso à Informação. No total, cerca de 293 mil carteirinhas foram emitidas até o momento. Quem já tem a ID Estudantil vai poder continuar usando a carteira enquanto estiver matriculado na instituição de ensino.

A medida foi assinada em setembro do ano passado, pelo presidente Jair Bolsonaro, mas até o momento não passou por aprovação na Câmara, o que deveria ter sido feito no prazo de 120 dias.

ID ESTUDANTIL

A ID Estudantil é um documento que dá o benefício da meia-entrada para estudantes em eventos culturais. O documento pode ser solicitado por alunos da educação básicacursos técnicosgraduação e pós-graduação. Pelo projeto da ID Estudantil emitida pelo governo, o documento sairia gratuitamente e sem necessidade de renovação. Em contrapartida, ao solicitar a ID Estudantil oferecida pelo governo o estudante tem que enviar seus dados para o governo.

Fonte: Educa Mais Brasil