Circuito Bahia Experimental promove oficinas gratuitas de música

Autor: Simões Filho Online

Publicada em


Promover intercâmbios, improvisações e aprendizado musicais em Salvador, Santo Amaro e Juazeiro estão entre os objetivos do projeto Circuito Bahia Experimental – Oficinas de Improvisação e Livre Criação Musical, idealizado pelo músico Thiago Trad e realizado pela Giro Produções Culturais.

Entre março e maio serão realizadas quatro oficinas gratuitas voltadas para músicos e estudantes de música. As inscrições estão abertas e devem ser feitas no site do projeto. A iniciativa tem apoio financeiro do Fundo de Cultura da Bahia, mecanismo de fomento gerido pelas secretarias de Cultura do Estado (Secult) e da Fazenda (Sefaz), por meio do edital ‘Agitação Cultural: Dinamização de Espaços Culturais’.
As oficinas serão ministradas pelo músico Thiago Trad, com a presença de uma banda fixa, formada por quatro músicos – guitarra, baixo, sopro e programações. Em cada cidade, a banda terá novos integrantes e uma formação própria, além da presença de um artista convidado para compartilhar vivências sobre sua trajetória profissional. São disponibilizadas 30 vagas, das quais 10 são destinadas para aulas práticas e 20 para alunos ouvintes.
 
Programação 
Em Salvador, a oficina acontece no Espaço Xisto Bahia, de 7 a 12 de março, com inscrição até dia o 2. Em Santo Amaro, a atividade será realizada no Teatro Dona Canô, de 21 a 26 de março,  com inscrição até dia 14. Já em Juazeiro, o Centro Cultural João Gilberto será palco do projeto de 18 a 23 de abril, com inscrição até 11 de abril.

O projeto volta a acontecer no Espaço Xisto Bahia, em Salvador, entre os dias 2 a 7 de maio, com inscrição até 25 de abril. As oficinas têm a carga horária de 20h, com encontros de segunda a sexta-feira, de 14h às 18h, e vão culminar com uma apresentação pública onde serão mostradas as criações realizadas durante as aulas, com participação de um músico convidado.

Intercâmbio cultural 
De acordo com Thiago Trad, o Circuito Bahia Experimental deve formar até 90 músicos por meio das oficinas, além de envolver 35 profissionais atrelados à cena cultural. “É importante lembrar que iniciativas assim reverberam por todo mercado envolvendo, além do aspecto  formativo, o de economia da cultura, incluindo produtivamente músicos, fotógrafos, produtores, roadies, designers, comunicadores”, explicou.
O projeto também visa incentivar e despertar novas possibilidades de criação dentro de um contexto de improviso experimental, fomentando o intercâmbio cultural entre diversos músicos do estado. A expectativa é que os participantes possam compreender de que modo se dão as relações estéticas e os processos de elaboração no encontro entre músicos que se dedicam ao trabalho electro/acústico da improvisação musical.