Comunidades de Simões Filho vivem em situação de abandono; “Dinha só fez promessas”

Autor: Redação

Publicada em


As comunidades dos conjuntos habitacionais que pertencem ao programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS) têm motivos de sobra para se indignar com a atual administração pública da cidade.

Acumulo de lixo, iluminação precária, transporte ineficiente, entre outros problemas fazem parte da vida desses moradores, que em sua maioria são de famílias muito pobres e que necessitam de uma atenção especial por parte dos poderes públicos.

Em contato com a redação do SIMÕES FILHO ONLINE, a assistente social Luciana Oliveira, de 34 anos, moradora do condomínio Alvorada, localizado no bairro de Simões Filho I contou como tem sido a rotina da comunidade.

Segundo Luciana, embora no primeiro ano da gestão o prefeito Diógenes Tolentino tenha feito diversas promessas de melhorias na localidade, quem passa pelo bairro hoje em dia pode perceber a verdadeira situação de abandono.

“Ele só fez promessas aqui”

“Gostaria de denunciar o descaso da prefeitura com os moradores do condomínio Alvorada. A iluminação que não tem, a roçagem dos matos que não chega aqui, o transporte daqui que é deficiente, se não fosse o ligeirinho complicaria ainda mais a nossa locomoção para o Centro”, relatou a moradora.

Ainda conforme relatos da assistente social, nem mesmo a Unidade de Saúde da Família (UBS) e a creche escola construída pelo governo federal para atender os condôminos e que deveria ser gerenciada pela prefeitura tem atendido as necessidades da comunidade.

“A UBS que era para ser inaugurada há dois anos nunca funcionou e sem previsão, a creche que nunca tem vaga para os próprios moradores do condomínio, só para a população de fora, embora a creche tenha sido feita para atender a necessidade do condomínio”, disse ela.

Diante de tamanho descaso, a moradora resolve fazer um apelo implorando para que as autoridades competentes tomem alguma providência em caráter de urgência, no sentido de amenizar o sofrimento da população.

“Pedimos pelo amor de Deus uma solução. Senhor prefeito olha para a população sofredora de Simões Filho. O povo sofrendo de todas as formas, sem contar que até para votar, pois a biometria é uma humilhação desnecessária com a população. Pedimos socorro”, concluiu.