Corpo de doméstica vítima de Covid-19 desaparece no Hospital Espanhol

Autor: Aratu On

Publicada em


A certidão de óbito está em mãos e a guia para sepultamento também. Como se não bastasse a dor da saudade e da perda de mais uma pessoa na luta contra o coronavírus na Bahia, a família da doméstica Arlete Santos dos Reis, de 44 anos, passa por outro sofrimento: o sumiço do corpo. Ela morreu no Hospital Espanhou vítima da Covid-19 na segunda (1/6), mas até a tarde desta terça (2/6) seu corpo ainda não tinha sido localizado.

O marido de Arlete e outros familiares temem que o corpo tenha sido enterrado no lugar de outra pessoa. “Como é que não sabe quem enterrou? Como não sabe onde está? Isso é absurdo, é um mistério, e precisam resolver”, desabafa o marido, Reginaldo César. Além dele, irmãos e amigos da doméstica, que também querem uma resposta para tantos questionamentos, protestaram na porta da unidade de saúde no início da tarde.

A mulher deu entrada em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) com sintomas da doença na última sexta (29/5), mas foi transferida ao centro de referência para o coronavírus do Governo da Bahia no domingo. “Ela entrou aqui bem, entrou falando. O boletim das 6h dizia que o quadro dela era bom, mas às 10h veio a notícia do falecimento. Agora eu só quero que ela tenha um enterro digno”, conta César.

Reginaldo tem vídeos que mostram a esposa bem, apesar de internada. Ele sustenta ainda que uma enfermeira da unidade fez chamada de vídeo para que pudesse falar com Arlete e ela estava consciente, além de estar respirando normalmente. “A gente ‘tava’ junto há muito tempo, muito. Fazíamos tudo juntos. Dormíamos juntos, morávamos juntos, saíamos juntos. Agora eu não consigo ver minha esposa. Eu quero ver minha esposa!”.

 

A família conseguiu falar com a diretoria do Hospital Espanhol, mas Reginaldo e os irmãos da vítima dizem que ninguém soube dar as respostas. “Eles não dizem nada, também não sabem nada, não quer dizer qual o médico que atendeu ela nem para onde levaram”, explica um dos irmãos de Arlete, Jairo Santos Reis. Outra irmã da vítima esteve no dia da morte no hspital, mas foi impedida de ver Arlete.

Procurada pela reportagem do Aratu On, a assessoria de imprensa do Hospital Espanhol disse que está ciente do caso e deve se pronunciar oficialmente nas próximas horas.

Fonte: Aratu On