Simões Filho começa o ano com saldo positivo na geração de empregos, diz Caged

Diz Caged

Autor: Redação

Publicada em


Foto: Lau Loko

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, divulgou os resultados oficiais do nível de emprego. Os dados indicaram que, em janeiro deste ano, Simões Filho obteve saldo positivo de 69  vagas de emprego, o terceiro maior saldo de contratações dentre as cidades analisadas na Região Metropolitana de Salvador (RMS), ficando atrás apenas de Lauro de Freitas e Dias D’ávila.

Para realizar o levantamento, o Caged considera o número de contratações e o de demissões no período analisado. Caso o número de contratações seja maior do que o de demissões, o saldo é positivo. Caso o número de demissões ultrapasse o de admissões, o saldo é negativo.

Ao todo, foram 1.012 admissões com carteira assinada e 949 desligamentos em Simões Filho. O setor com o maior saldo em todo o mês foi a indústria da transformação, que teve um saldo de 136 vagas. No entanto, o comércio apresentou um saldo negativo, com 50 demissões a mais do que admissões no período.

A  indústria simõesfilhense também apresentou um saldo negativo com 49 vagas a menos. Já a Construção Civil gerou 31 vagas.

Ainda na Região Metropolitana de Salvador, Camaçari e Salvador tiverem o pior despenho. A capital teve saldo negativo de menos  -161 postos de trabalho. Já Camaçari teve menos -150.

Brasil

A economia brasileira gerou 34.313 empregos com carteira assinada em janeiro deste ano, segundo o Caged. Os números mostram que houve queda de 56% na abertura de vagas formais no primeiro mês deste ano, na comparação com igual período do ano passado – quando houve 77.822 contratações.

Após três anos seguidos de demissões, a economia brasileira voltou a gerar empregos com carteira assinada em 2018, quando foram abertas 529.554 vagas formais, de acordo com dados oficiais.

Com o resultado de janeiro de 2019, o volume total de empregos formais somou, no final do mês passado, 38,44 milhões de vagas, contra 37,97 milhões em janeiro de 2018.