Dinha destaca conjunto de leis para o transporte, fiscalização de trânsito e implantação da Zona Azul em Simões Filho

Autor: Simões Filho Online

Publicada em


O prefeito Diógenes Tolentino (Dinha) participou, na manhã desta terça-feira (21), da abertura do ano legislativo de 2017 na Câmara Municipal de Simões Filho.

Em seu discurso, Dinha destacou a parceria com a Casa e saudou os vereadores veteranos e novatos eleitos para o mandato até 2020. O gestor simõesfilhense reafirmou o respeito que o Executivo terá com o Legislativo, e garantiu as portas do seu gabinete abertas para o diálogo com os edis.

“Nós fomos eleitos pelo povo e estamos aqui para representá-lo. Somos prefeito, vice-prefeito e vereadores de toda a cidade e de todos os cidadãos, sem nenhum tipo de distinção. Estamos aqui para trabalhar para todos, para isso vamos manter uma parceria respeitosa que tem como base o diálogo constante em prol de um objetivo comum, que é melhorar a qualidade de vida e dar mais oportunidades para o nosso povo”, disse Dinha.

Dentre os projetos de leis que deverão ser enviados para a Câmara, o prefeito elencou o Plano de Desenvolvimento Urbano (PDDU) que, segundo ele, a proposta anterior deixou a Gerdau, uma importante empresa, geradora de impostos para o município, fora dos limites geográficos de Simões Filho. O Plano de Desenvolvimento do Município, que está respaldado em uma lei estadual, ainda não foi votada, portanto, sem validade. E ainda citou um conjunto de leis que vão tratar da Mobilidade Urbana e que diz respeito ao transporte escolar particular, os mototáxis, táxis, transporte coletivo, fiscalização de trânsito e a implantação da Zona Azul.

O gestor ainda fez um balanço dos 50 dias de governo e mostrou como encontrou o município.

“Todos vocês são conhecedores do colapso financeiro e administrativo no qual foi deixada a Prefeitura. Os recursos deixados em caixa não fazem face aos débitos deixados em restos a pagar, bem como a dívida de longo prazo que representa quase um orçamento anual inteiro”, revelou.

Segundo Dinha, o gestor anterior deixou cerca de 21,5 milhões de restos a pagar. “Fora algumas despesas que não foram contabilizadas, pois até o momento não foi entregue a prestação de contas de dezembro”, lamentou.

Apesar de todos os contratempos, Dinha afirmou que não cruzou os braços diante da situação e voltou a pedir aos seus secretários, servidores efetivos e ocupantes em cargos comissionados e contratados que se empenhem ao máximo para que as metas planejadas sejam cumpridas.

“Não estou aqui com objetivo de prometer soluções milagrosas ou criar falsas expectativas. O que posso lhes assegurar é que os primeiros meses da minha gestão serão de muito trabalho, com medidas austeras. E os resultados para aparecerem, precisam de muito planejamento, trabalho e dedicação. Precisarei tomar medidas duras, que são necessárias para tirar a nossa cidade desta situação em que ela se encontra”, garantiu, ao conclamar o apoio da população no processo de transformação da cidade, a “boa terra”, como costuma chamar.

“Da mesma forma quando um dia sonhei em ser prefeito desta cidade, há 10 anos, mesmo enfrentando todas as adversidades, não desisti porque sabia que seria possível. Então, se todos nós, juntos, trabalharmos acreditando que Simões Filho é uma cidade viável, em pouco tempo estaremos vivendo em sua cidade do trabalho, da fraternidade e da paz”, concluiu.