Funcionária do Carrefour que filmava as agressões à João Alberto é presa

Funcionária do Carrefour que filmava as agressões à João Alberto é presa
Funcionária do Carrefour que filmava as agressões à João Alberto é presa. Foto: reprodução

Funcionária do Carrefour que filmava as agressões à João Alberto é presa

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul prendeu nesta terça-feira (24) Adriana Alves Dutra, funcionária do Carrefour que aparece no vídeo filmando a ação dos seguranças que agridem João Alberto Freitas, 40 anos, até a morte. Ela foi presa em Alvorada, na Região Metropolitana de Porto Alegre, onde mora, segundo o G1 Rio Grande do Sul.

“O que nós observamos é que houve declarações contraditórias. Resta até o final do inquérito (saber) se essas contradições foram motivadas por algo que se queria encobrir ou não”, disse à RBS, afiliada da Rede Globo, a delegada Roberta Bertoldo.

>Homem negro é espancado até a morte dentro de supermercado

Várias contradições foram percebidas pela polícia no depoimento de Adriana Alves Dutra, que aparece nas imagens de blusa branca, próxima à cena e tenta em certo momento intimidar um rapaz que filmava a agressão. Ela era a responsável pelos seguranças da loja.

No depoimento, Adriana disse que o PM temporário, Geovane Gaspar da Silva, era um cliente do mercado. Na verdade, ele era funcionário da empresa terceirizada que fornecia segurança ao local.

>Presidente da Câmara de Simões Filho tem carro roubado

Ela também contou que João Beto empurrou uma senhora ainda dentro da loja, o que não aparece nas imagens obtidas até agora.

Contou ainda que não ouviu a vítima pedir por ajuda, mas nas gravações são audíveis os gritos dele pedindo socorro.

Ela disse ainda que por várias vezes pediu que os seguranças largassem João, mas as imagens não mostram nada parecido. Ela aparece tentando impedir a gravação que uma testemunha fazia.

>Polícia recupera em Simões Filho caminhão roubado no RJ

Cronologia

Adriana contou que estava no setor de bazar quando foi chamada porque havia um conflito entre um cliente uma funcionária, uma fiscal de caixa que aparece usando roupa preta nas imagens.

Ela disse que quando chegou um cliente, que ela soube ser PM, tentava contornar a situação. Esse era Geovane, o segurança da Vector, terceirizada que presta serviço à Carreour.

A funcionária disse que João era uma pessoa agressiva e que já tinha tido problemas com fiscais antes. Ele foi escoltado para fora da loja e nesse momento teria empurrado uma senhora, segundo o depoimento, mas isso não aparece nas imagens disponíveis.

>Veja as dicas para não ser enganado na Black Friday

Depois, ela contou, João deu um soco no PM e os dois “se embolaram”. Isso é possível ver nas imagens. Adriana diz que chamou a Brigada Militar e o Samu quando viu que havia sangue da vítima no chão, a essa altura já desmaiada.

Segundo ela, João xingou muito durante a “contenção”, em suas palavras, mas em nenhum momento ela o ouviu pedir por socorro. Insistiu também que pediu várias vezes para os “rapazes” soltarem João.

“Se acalma pra gente poder te soltar, a brigada tá chegando aí, tá bom? (…) A gente não vai te soltar pra ti bater em nós de novo?”, diz Adriana, segundo é possível ouvir em uma das gravações.

>Inscrições de artistas para o Festival Cultural – Fique em Casa Simões Filho vão até sexta

Ela notou que era gravada e tentou intimidar a testemunha. “Não faz isso, não faz isso que eu vou te queimar na loja”, diz, se aproximando do rapaz.

Os dois seguranças que espancaram João Alberto foram presos em flagrante e até agora não foram ouvidos. Eles optaram por ficar em silêncio quando foram detidos. A prisão já foi convertida em preventiva. A polícia ainda espera ouví-los.

“Tão logo nós recebamos a autorização judicial, dar acesso a eles ao sistema prisional, para que eles possam esclarecer essas declarações e junto a isso compará-las com aquilo que foi referido pelas próprias testemunhas que estavam no entorno e que também ouviram e viram todas as situações que passaram ali”, diz a delegada.

>5,1 milhões de beneficiários recebem auxílio emergencial hoje

Omissão de socorro

Além dos dois seguranças, a polícia investiga outras pessoas, que podem ter cometido crime de omissão de socorro. Os nomes dos investigados, que estavam presentes durante o espancamento e nada fizeram, não foram divulgados.

“Inicialmente se apontou que João havia agredido fisicamente uma mulher no interior do estabelecimento, mas as câmeras de segurança mostraram que não houve essa agressão, que na verdade houve um certo mal-entendido entre um gesto que ele teria feito a uma fiscal que decorre dessa situação, então inúmeras questões vêm sendo ditas, ou desditas, ou não comprovadas”, diz a delegada.

>Homem negro é espancado até a morte dentro de supermercado

A polícia tenta descobrir se João já tinha tido desentendimentos com funcionários do local. Uma deles afirmou que era “agressivo” e já tinha brigado com fiscais anteriormente. Uma fiscal de caixa disse que soube por colegas que João já havia estado no local embriagado, importunando clientes. As câmeras de segurança de outras datas do local foram solicitadas pela polícia.

Fonte: Correio

Veja mais