Gêmeas siamesas nascem unidas pelo abdômen na Bahia

Autor: Redação

Publicada em


Gêmeas siameses nasceram unidas pelo abdômen na manhã desta quinta-feira (18/5), em Santo Antônio de Jesus, cidade que fica à 208 km de distancia da capital Salvador, na Bahia.

As irmãs dividem um rim, bexiga, fígado, intestino e órgão reprodutor de acordo com a diretora do Hospital Maternidade Luiz Argolo, mantido pela Santa Casa de Misericórdia do município, onde aconteceu o parto.

Para Liliane Silva dos Santos, seria uma gestação comum. Aos 35 anos, ela já havia passado por três gestações. “O médico fez a ultrassonografia, perguntou se eu já era mãe e me disse que eu estava grávida de gêmeos siameses. Ele me disse que eu estava numa gestação com os gêmeos colados”, lembra a mãe das siamesas chamadas Laura e Laís, em entrevista ao Blog do Valente.

Liliane teve atonia uterina após o parto – incapacidade do útero se contrair -. Em consequência da complicação, perdeu muito sangue. Ela foi transferida para UTI, mas passa bem, de acordo com a Santa Casa.

Segundo a direção da Santa Casa, as siamesas, com 3,700 kg cada, estão estáveis, respirando sem a ajuda de aparelhos. As gêmeas precisarão passar por cirurgia de separação. Para isso, serão transferidas em um avião da Força Aérea Brasileira para o Hospital da Criança, em Goiânia, referência no tipo de procedimento.

As siamesas são consideradas pacientes de risco, por isso, é necessária a transferência com acompanhamento e veículo equipado. “Apesar de estarem bem, nada impede que descompense a qualquer momento. Então, precisam ser transportadas na presença de um médico”, explica a diretora da Santa Casa, Jussara Argolo.

Sobre Gêmeos siameses

Gêmeos siameses se desenvolvem quando um embrião precoce se separa parcialmente para formar dois indivíduos. A maioria dos gêmeos siameses é natimorto ou morre logo após o nascimento. Os bebês costumam ser ligados pelo tórax, pela pélvis ou pelas nádegas. Os gêmeos podem compartilhar órgãos. Os gêmeos que sobrevivem podem ser separados por cirurgia. O sucesso depende do local por onde eles estão unidos e dos órgãos compartilhados.

Por: Aratu On