Moradores denunciam infestação de pulgas em Bairro de Simões Filho

Autor: Redação

Publicada em


Os moradores da Rua Vale das Fontes no bairro Ponto de Parada, em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), estão sofrendo com uma infestação de pulgas.

De acordo com a moradora Marina Rocha, de 53 anos, a situação está insustentável e pede uma intervenção urgente do poder público. Segundo ela, os moradores já entraram em contato com a Vigilância Epidemiológica, mas ainda não foram atendidos. “Estamos com uma epidemia de pulgas. Já procuramos a Vigilância Sanitária e outros órgãos, mas até agora não obtivemos uma solução. Estamos pedindo socorro”, disse a dona de casa, ao SIMÕES FILHO ONLINE.

“É pulga pra todo lado”, disse Marina Rocha.

Pequenas, mas perigosas

Pulgas são pequenos insetos, de 1 a 8,5mm, que não têm asas e vivem como parasitas externos de animais silvestres, domésticos e do homem. Elas se alimentam do sangue do hospedeiro, transmitem doenças (para humanos e animais) e causam irritações cutâneas.

Elas podem ser transmitidas para os humanos de várias formas, desde o contato com animais infectados até pela sua presença em uma casa que ficou muito tempo fechada.

Elas são adaptadas para saltar até 20 cm verticalmente e 40 cm na horizontal. As pulgas podem sobreviver, dependendo da espécie, de dois meses a um ano sem se alimentar. Uma fêmea deposita de 200 a 600 ovos ao longo da vida, apenas com um acasalamento inicial – que acontece na pele do hospedeiro.

Ela deposita os ovos no próprio local, que por não serem pegajosos, caem no solo ou nos locais por onde o hospedeiro passar. Eles demoram de dois a 12 dias para eclodir, mas pode permanecer em forma de ovo por até um ano em baixas temperaturas.

As larvas são pequenas e vermiformes, e podem ser encontradas dentro das residências entre as fendas do taco no assoalho, no rodapé, tapete, carpete, cantos de cama, e, fora das residências, em canis, ninhos de animais, caixas de areia, entre outros. Residências vazias por muito tempo, ou locais com grande acúmulo de poeira, podem se tornar verdadeiros criadouros da praga. Elas se alimentam de quase todo tipo de resíduos orgânicos, especialmente de fezes de pulgas adultas.