Novo Auxílio Emergencial poderá ser criado com ampliação no Bolsa Família

Novo Auxílio Emergencial poderá ser criado com ampliação no Bolsa Família
Novo Auxílio Emergencial poderá ser criado com ampliação no Bolsa Família

Novo Auxílio Emergencial poderá ser criado com ampliação no Bolsa Família.

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros, defende que as famílias do Bolsa Família sejam ampliadas, o que substituiria o retorno do auxílio emergencial. O deputado já havia dito, no início do mês, que o benefício não poderia voltar. As informações são da coluna de Andréia Sadi, no G1.

>>Rodrigo Pacheco defende prorrogação de Auxílio Emergencial durante reunião

Atualmente, a discussão sobre o retorno do auxílio é uma das principais pautas nos ministérios do governo de Jair Bolsonaro e no Congresso Nacional. O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu que a volta do benefício deve acontecer envolvendo metade das pessoas.

Já Barros afirmou que o modelo será diferente. “O Auxílio Emergencial foi feito dentro decreto de calamidade, é um cheque em branco e não temos mais. Não se pode repetir a fórmula do auxílio. Vamos socorrer, mas não naquele modelo. A ajuda para quem precisa vai ser mais uma continuação do Bolsa Família”, afirmou o deputado.

>>MEC publica relação de aprovados na segunda chamada do PROUNI

Barros defende, ainda, que as prefeituras verifiquem se quem recebe o Bolsa Família “realmente precisa”.

“No auxílio tudo foi feito por declaração voluntária. Se precisava ou não, ninguém conferiu. Defendo que as prefeituras façam essa verificação”, disse.

>>Projeto prevê até 4 anos de prisão para quem furar fila da vacina contra Covid-19

O deputado ainda quer que novos critérios sejam utilizados para definir quem rebe o auxílio, como qualificação profissional e desempenho escolar. “O programa não incentiva a sair. A rampa de ascensão social precisa ter mecanismos para que as pessoas saiam depois. Então, podemos ampliar mas precisa cobrar desempenho escolar, qualificação profissional, por exemplo”.

Fonte: Brasil Econômico – iG

Veja mais