Novo complexo da PEC Energia vai gerar 500 empregos na fase de construção na Bahia

Autor: Simões Filho Online

Publicada em


A PEC Energia vai realizar investimento da ordem de R$ 1 bilhão para a implantação de um complexo eólico, com capacidade instalada de 205,85MW na Bahia. Serão criados 500 empregos na fase de construção e 50 na operação. A PEC Energia é uma holding formada pela união de três empresas de engenharia para desenvolver, construir e operar empreendimentos de geração de energia elétrica limpa e renovável.

Protocolo de intenções foi assinado nesta segunda-feira (24/08) entre o secretário de Desenvolvimento Econômico, Jorge Hereda e o diretor da PEC Energia, Gilberto Feldman. Na oportunidade, a empresa também aderiu ao programa “Primeiro Estágio, Primeiro Emprego”, criado pelo Governo do Estado.

De acordo com Hereda, a chegada de um empreendimento como este no semiárido baiano, ajuda a transformar o cenário local. “São gerados empregos diretos e indiretos, estimula o comércio, a prestação de serviços e gera renda com o arrendamento das terras para a instalação das turbinas”, diz.

Segundo Feldman, serão implantados sete parques eólicos na primeira fase do projeto e na segunda será investido o dobro desta primeira etapa. Quando perguntado sobre a escolha do Estado, o diretor é direto. “A Bahia tem o maior potencial eólico do Brasil, onde encontramos hoje um dos melhores ventos do mundo”, afirma.

Quanto a Gentio do Ouro, Feldman explica “o município ainda é pouco explorado, tem grande potencial eólico e está prevista a instalação de uma nova subestação, que leva o mesmo nome da cidade, e facilitará o escoamento da energia”, finaliza.

Este não é o primeiro investimento da PEC Energia no estado. A empresa em consórcio com a Rio Energy implantará o complexo eólico Serra da Babilônia em Morro do Chapéu. Um complexo formado por oito parques e capacidade instalada de 220 MW.

Energia Eólica

A Bahia é o segundo maior estado brasileiro em produção de energia eólica, com 68 usinas em operação e 1.71 GW. Em primeiro lugar está o Rio Grande do Norte, com 104 usinas e 2,85 GW de potência instalada. Os dados são da Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel. Há ainda outros 41 empreendimentos em construção e 118 projetos que iniciarão as obras nos próximos anos. Estes conjuntos de parques estão sendo desenvolvidos em 22 municípios espalhados em todo o eixo central do estado, do sudoeste até o norte do Vale do São Francisco.

Os investimentos em eólica na Bahia são da ordem de R$ 18,5 bilhões em 185 usinas negociadas em leilões pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do Ministério de Minas e Energia, com 4,6 GW de potência, distribuídas em 22 municípios do semi-árido. Quando soma-se a esta conta o mercado livre, o número de empreendimentos sobe para 232, com um total de 5,36 GW de potência.