Número de animais abandonados e em situação de maus-tratos chama atenção em Simões Filho

Autor: Redação

Publicada em


O número de animais abandonados e doentes que circulam nas ruas de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS) tem aumentado a cada dia e preocupa os moradores do município. Animais perdidos ou abandonados nas ruas sofrem com fome, sede, frio e agressões. Todos esses problemas são frutos da superpopulação animal e, é para esta causa que o Simões Filho Online faz um alerta.

Simões Filho não possui um censo populacional de animais abandonados, mas sabe-se que ela vem aumentando justamente pela falta de atenção dos donos e da Prefeitura Municipal de Simões Filho.

Na região do Cia, centro da cidade, Mercado Municipal e em diversos bairros, é comum encontrar gatos e cachorros em situação de abandono e maus-tratos, que por não ter onde ser acolhidos, acabam vagando pela rua em busca de alimentos e de cuidados.

Além da vida dura que estes animais levam, passando fome, frio, sede e sendo vítimas de maus tratos, eles representam, também, um problema de saúde pública, já que, sem os cuidados necessários as doenças se proliferam e colocam em risco a saúde da população. Daí a importância de se promover palestras e debates sobre o assunto, principalmente sobre pontos fundamentais: o abandono precisar acabar, a adoção deve ser promovida e a castração deve ser incentivada.

O fato tem incomodado alguns leitores do Simões Filho Online, que solicitam aos órgão competentes e as autoridades do município que tomem providências para que a situação seja resolvida.

“Queremos que os órgãos criados como a zoonose por exemplo sejam atuantes, e não somente para dá emprego, pois quando solicitamos algum tipo de ajuda a resposta é a de sempre, não tem carro para atendimento, não tem recursos. O município tem condições de dá atendimento a esse pobres animais e fazer um trabalho de conscientização das pessoas com relação a essa causa do abandono, que é crime. É preciso que tirem os animais das ruas e dê um destino digno para eles, investindo em feiras de adoção, ajuda às ONG e no trabalho de conscientização da população”, disse Eliana de Jesus, 59 anos, moradora do Cia 1.

Vale ressaltar que além de cruel e desumano, maltratar ou abandonar animais é considerado crime ambiental e pode resultar na pena de detenção de três meses a um ano e multa. A lei se aplica a quem praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos.