Simões Filho é classificada pela OMS como área de risco para febre amarela

A medida mais importante para prevenir a febre amarela é a vacinação.

Autor: Simões Filho Online

Publicada em


Lista da OMS | (Foto: Reprodução/ Site OMS)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou Simões Filho, como área de risco para a febre amarela e incluiu o município na lista de cidades com recomendação para vacina. No texto, a agencia mencionou que a determinação de novas áreas avaliadas com risco para a transmissão da doença é um processo contínuo e atualizações serão fornecidas regularmente.

O número de municípios da baianos cuja imunização contra a doença é recomendada passou de 69, para 154 | Foto: Divulgação Internet

A Organização Mundial informou ainda que quem vive ou se desloca para as áreas de risco deve estar com as vacinas em dia e se proteger de picadas de mosquitos. Para a OPAS/OMS, apenas uma dose da vacina é suficiente para garantir imunidade e proteção ao longo da vida. Efeitos secundários graves são extremamente raros.

Além de Simões Filho, outras 153 cidades baianas estão classificadas como área de risco para a doença. O comunicado foi oficializado no dia 5 de abril, e nele foram consideradas as mortes de macacos e casos em humanos que estão sendo investigados na Bahia, incluindo a área urbana de Salvador.

Na região metropolitana da capital baiana, a OMS também incluiu na lista de cidades com recomendação para vacina os municípios de Salvador, Camaçari, São Francisco do Conde, Madre de Deus, Mata de São João, Lauro de Freitas, Candeias, Dias d’Avila, São Sebastião do Passe, Itaparica, Vera Cruz e Pojuca.

Secretaria Municipal de Saúde de Simões Filho

A secretária de Saúde de Simões Filho, Drª Maria Betânia, em entrevista exclusiva concedida ao Simões Filho Online, disse que não há motivo para pânico, em Simões Filho, até o momento, não há nenhum caso de febre amarela em humanos, nem em animais. “Eu estive hoje pela manhã pessoalmente na Macro Leste, na Sesab e confirmei que Simões Filho não é risco. Não temos nenhum caso de macaco infectado na cidade”, tranquilizou.

Drª Betânia adiantou que o município já recebeu 10 mil doses extras da vacina a fim de imunizar a população de áreas de riscos, principalmente áreas rurais. Com a chegada das doses, a Secretaria Municipal de Saúde vai realizar um mutirão para vacinar moradores de regiões do município com maior probabilidade da doença. “As doses já chegaram em Simões Filho e na próxima segunda-feira (24/4), vamos realizar o dia D na cidade. Vamos utilizar camisas, distribuir panfletos – orientar a população. A orientação é para vacinar grupos de riscos. Realizaremos uma busca ativa no município para gente seriar pessoas que tenham realmente necessidade. Eu posso lhe dizer que as pessoas que moram em zona rural, que tem contato com mata – mata virgem – devem ser olhadas com mais cuidado”, colocou.

Questionada sobre o número insuficiente de vacinas para toda população da cidade, a gestora da pasta ressaltou que o prefeito tentou conseguir vacinas para os 140 mil habitantes de Simões Filho. “Nós somos 140 mil habitantes – não recebemos vacinas para toda população. O prefeito pediu vacinas para vacinar todo mundo e não recebemos. Nós conseguimos 10 mil doses, é que o estado garante pra gente de imediato”, informou Drª Betânia.

De acordo com os especialistas, a medida mais importante para prevenir a febre amarela é a vacinação, já que ela é a única forma 100% eficaz de proteger a sociedade. A determinação dos órgãos de saúde do Estado é que a vacina deve ser tomada por crianças a partir dos nove meses e pelos adultos que ainda não estão imunizados.

Por causar reações, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não recomenda a vacina para pessoas com doenças como lúpus, câncer e HIV, devido à baixa imunidade, nem para quem tem mais de 60 anos, grávidas e alérgicos a gelatina e ovo. Pessoas com mais de 60 anos só devem receber a vacina após avaliação cuidadosa de risco-benefício.

Macacos mortos em Simões Filho

De acordo com Drª Betânia, nesta terça-feira (18/4), um macaco foi encontrado morto na cidade. O primata foi encaminhado para o Laboratório Central de Saúde Pública – Lacen, para realização de exames. O resultado deve sair em até 20 dias.

No último mês, outros três macacos já haviam sidos encontrados mortos em Simões Filho. No entanto, na oportunidade, não foi possível a realização de exames para verificar as causas da morte dos primatas. Saiba mais sobre os macacos encontrados mortos em Simões Filho.

Recomendação em Simões Filho

Embora não haja motivo para pânico porque a doença segue, pelo menos por ora, restrita ao ciclo silvestre, o órgão municipal recomenda que caso a população encontre algum animal doente ou morto, entre em contato com a equipe de zoonoses da Vigilância e Proteção à Saúde o mais breve possível  pelo número 71 3296-1704.

Casos confirmados

O Brasil tem 396 casos confirmados de febre amarela, de acordo com boletim do Ministério da Saúde. Eles são parte das 1.538 notificações recebidas pelos órgãos de saúde dos estados, sendo que 958 suspeitas ainda estão sob investigação e outras 184 já foram descartadas.

Na Bahia, em 2017, até o dia 13 de abril, foram notificados 15 casos suspeitos de Febre Amarela em oito municípios (Itiúba– 1; Coribe – 4; Itamaraju– 1; Mucuri-1; Nova Viçosa-1; Teixeira de Freitas- 3; Ilhéus- 1; Feira de Santana – 1; casos com pessoas residentes no estado de Alagoas que passaram por vários locais na Bahia – 2).

No Estado, no mesmo período, há registro de 209 epizootias em Primatas Não Humanos (PNH) distribuídas em 67 municípios. Desses, 32 casos tiveram confirmação de epizootias para Febre Amarela em 18 municípios: Alagoinhas, Biritinga, Camaçari, Catu, Cordeiros, Esplanada, Feira de Santana, Itaparica, Ituberá, Nova Viçosa, Ouriçangas, Pedrão, Salvador, Santa Rita de Cássia, São Felipe, São Miguel das Matas, Saúde e Vera Cruz.

Não mate macacos

O temor pela febre amarela está levando pessoas mal informadas a eliminarem macacos. Especialistas informaram que matar esses animais prejudica as investigações sobre a doença. Afinal, a febre amarela não é transmitida pelo macaco. E sim, pelos mosquitos. Vale lembrar de que além de prejudicar a investigação sobre a doença, matar macaco é crime ambiental com pena de até um ano de prisão e multa de até R$ 5 mil.

Vale salientar que os macacos são vítimas da febre amarela assim como os seres humanos. Isso porque esses animais também são vulneráveis ao vírus, e a detecção de infecções em macacos ajuda na elaboração de ações de prevenção da doença em humanos.

Atualmente, o Brasil é afetado apenas pela febre amarela silvestre – transmitida pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes. Até o momento, não há qualquer evidência de que o mosquito Aedes aegypti, presente em zonas urbanas, esteja envolvido na transmissão.

Sintomas da doença

Os sinais e sintomas mais comuns da doença são: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos que duram, em média, três dias. Nas formas mais graves da doença, podem ocorrer icterícia (olhos e pele amarelados), insuficiências hepática e renal, manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. Cerca de 20% a 40% das pessoas que desenvolvem a versão mais grave da doença (15% do total de infectados) podem morrer.

Quer saber mais notícias de Simões Filho? Acesse aqui – Curta também a nossa página oficial no facebook: https://www.facebook.com/simoesfilhoonline/