Pesquisa brasileira diz ter eliminado HIV de paciente soropositivo

Pesquisa brasileira diz ter eliminado HIV de paciente soropositivo
Pesquisa brasileira diz ter eliminado HIV de paciente soropositivo – Reprodução / Agência Brasil

 

Pesquisa brasileira diz ter eliminado HIV de paciente soropositivo.

Cientistas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) relataram ter conseguido eliminar o vírus HIV do organismo de um paciente brasileiro. De acordo com a Folha de São Paulo, é o primeiro caso de um soropositivo que entrou em remissão de longo prazo após ser tratado com um coquetel intensificado de vários remédios.

O homem de 34 anos, diagnosticado com HIV em outubro de 2012, recebeu uma série de medicamentos contra aids durante 48 semanas (11 meses). O tratamento consistiu em uma base de terapia antirretroviral reforçada com outras substâncias antirretrovirais, além de um remédio chamado nicotinamida, conhecido por ser a forma ativa da vitamina B3.

>Ministério da Saúde diz que dados sobre coronavírus são “fantasiosos e manipulados” e serão revistos

O tratamento intensivo foi então interrompido. Após 57 semanas (13 meses) sem receber o coquetel e fazendo exames regulares, o DNA de HIV nas células do paciente continuou negativo, assim como seu exame de anticorpos de HIV. Ou seja, o vírus não é mais detectado no organismo dele.

Paciente está curado

O infectologista que coordena o estudo na Unifesp, Ricardo Sobhie Diaz, explica que o paciente pode ser considerado livre do vírus.

“O significado para mim é que tínhamos um paciente em tratamento, e agora ele está controlando o vírus sem tratamento”, disse à agência de notícias AFP.

>Covid-19: Ministério da Saúde vai realizar teste com pessoas que tiverem Síndrome Gripal

“Não conseguimos mais detectar o vírus [em seu organismo], e ele está perdendo a resposta específica ao vírus – se você não possui anticorpos, então não possui antígenos.” O feito fez parte de um estudo em escala global realizado pelos pesquisadores da Unifesp com pessoas infectadas pelo HIV. Os resultados foram apresentados na 23ª Conferência Internacional de Aids, que ocorre entre 6 e 10 de julho de forma virtual, por conta da pandemia.

Veja mais