Petrobras decide vender 51% da BR

Autor: Economia

Publicada em


A Petrobras decidiu abrir mão de controlar a BR Distribuidora sozinha e oferecerá ao mercado um modelo em que tentará vender 51% do capital votante. Ao mesmo tempo, buscará compartilhar o comando da empresa com o novo sócio. É a primeira grande decisão estratégica da gestão de Pedro Parente. A revisão do modelo de venda se deve ao fato de a proposta anterior, de oferta de participação minoritária, não ter sido bem-sucedida, depois de mais de nove meses de tentativas.

De acordo com a empresa, uma composição de ações ordinárias, com direito a voto (na prática, que definem quem manda a empresa), e preferenciais (sem direito a voto, mas com preferência na distribuição de dividendos), será feita de forma que, no fim das contas, a Petrobras seja majoritária no capital total (soma das duas classes de ações). Em tese, quem compra 51% do capital votante torna-se controlador da empresa, mas a Petrobras quer compartilhar esse controle, o que será possível com um acordo de acionistas a ser assinado com a venda.

Nos últimos meses, três ofertas pela BR Distribuidora chegaram à empresa – duas delas queriam o controle, que, até então, não estava à venda. Uma terceira queria uma participação minoritária, mas em valor menor do que a Petrobras pretendia. No mercado, o entendimento é que “ninguém quer ser sócio minoritário da Petrobras”. A decisão de vender 51% foi tomada em reunião do conselho de administração da empresa, na sexta-feira (22). O colegiado também tomou providências em relação às refinarias Abreu e Lima, em Pernambuco, e Comperj, no Rio de Janeiro.

Alvos do esquema de corrupção montado entre empreiteiras e executivos da estatal, as obras tiveram seus orçamentos multiplicados algumas vezes e não foram concluídas. No caso do Comperj, apenas uma unidade de gás será concluída. As obras do parque de refino da primeira unidade serão suspensas até 2020. A segunda unidade de refino será cancelada. Em Abreu e Lima, a primeira unidade será concluída, o que aumentará a produção diária de 100.000 barris para 115.000 barris. O destino da segunda unidade ainda será reavaliado.