PIS/Pasep: veja quem recebe até R$ 1.100 e como sacar

PIS/Pasep: veja quem recebe até R$ 1.100 e como sacar
PIS/Pasep: veja quem recebe até R$ 1.100 e como sacar

PIS/Pasep: veja quem recebe até R$ 1.100 e como sacar.

O pagamento do abono do PIS/Pasep para trabalhadores com carteira assinada ou funcionários públicos empregados em 2019 termina nesta quinta-feira (11/02). Recebem hoje os trabalhadores da iniciativa privada nascidos entre março e junho que não têm conta corrente ou conta poupança digital da Caixa. Para servidores públicos, o pagamento é para os de inscrição final entre 6 e 9 e não possuem conta no Banco do Brasil.

>>PIS/Pasep 2020/2021: Caixa paga abono salarial para estes trabalhadores

Na sexta-feira (05/02), o governo federal decidiu  antecipar o pagamento do abono. Quem tinha conta na Caixa ou no Banco do Brasil já obteve o depósito na terça-feira (09/02). Nesse último lote, recebem os que não têm conta ou não conseguiram abrir uma poupança digital.

O prazo final para a retirada do abono continua sendo 30 de junho.

>>Calendário de pagamentos do Bolsa Família para este mês de fevereiro

Quem pode receber?

O abono é pago para quem trabalhou com carteira assinada ou como funcionário público em 2019. Para receber, é necessário:

  • Ter trabalhado formalmente por pelo menos 30 dias no ano de 2019, consecutivos ou não;
  • Estar cadastrado no PIS ou Pasep há pelo menos cinco anos;
  • Ter recebido remuneração mensal média de, no máximo, dois salários mínimos em 2019
  • A empresa precisa ter informado corretamente os dados na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS)
  • Os funcionários de empresas privadas que têm dúvidas se possuem o direito ao abono do PIS podem consultar o site da Caixa, o app Caixa Trabalhador ou ligar para 0800-726-0207. Funcionários públicos podem consultar o site do Banco do Brasil para saber se podem receber o Pasep.

>>Parcela do Auxílio Emergencial é liberada para mais de 22 mil beneficiários

Qual o valor?

O valor é proporcional ao tempo trabalhado em 2019. Se trabalhou 12 meses, receberá o valor de um salário mínimo, que neste ano é de R$ 1.100. Se trabalhou um mês, receberá 1/12 do valor total, aproximadamente R$ 92.

Quem recebe nesta quinta?

PIS

  • Nascidos de março a junho sem conta corrente ou conta poupança digital da Caixa
  • Nascidos de março a junho com conta corrente ou poupança digital da Caixa receberam os valores em 9 de fevereiro.
  • Os trabalhadores nascidos entre julho e fevereiro tiveram os valores liberados em meses anteriores.

Pasep

  • Funcionários públicos com final de inscrição de 6 a 9 sem conta no Banco do Brasil
  • Quem tem inscrição de 6 a 9 e conta no Banco do Brasil recebeu os valores em 9 de fevereiro. Os trabalhadores com final de inscrição de 0 a 5 tiveram os valores liberados em meses anteriores.

Os saques, nos dois casos, podem ser realizados até 30 de junho deste ano.

>>Proposta cria novo Auxílio Emergencial de R$ 600 mensais; veja quem teria direito

Como sacar?

PIS

Nos casos em que o pagamento não possa ser depositado em conta existente ou em conta poupança digital, como nos casos dos trabalhadores que recebem nesta quinta, o saque poderá ser feito com o Cartão Cidadão e senha nos terminais de autoatendimento, lotéricas e nos correspondentes Caixa Aqui. Quem não tem o Cartão Cidadão pode sacar em qualquer agência, com um documento com foto.

Para quem já tem uma conta na Caixa, os créditos foram disponibilizados nas contas existentes e os valores podem ser movimentados usando o cartão da conta, o internet banking da Caixa ou o aplicativo da Caixa.

Os trabalhadores que não possuem conta corrente da Caixa receberam o dinheiro em conta poupança social digital, com abertura automática. O dinheiro é movimentado pelo aplicativo Caixa Tem.

Pasep

Quem não é correntista do Banco do Brasil pode transferir o dinheiro para uma conta de sua titularidade via TED, pela internet ou em terminais de autoatendimento do BB. Outra possibilidade é sacar o dinheiro em uma agência. Quem é correntista do Banco do Brasil já recebeu o pagamento direito na conta.

Fonte: Brasil Econômico – iG

Veja mais