Prisco diz que pagou enterro de PM morto na Santa cruz e corporação reage: “oportunista”

Autor: Aratu Online

Publicada em


Marco-Prisco
Foto: divulgação

Do Aratu Online, Parceiro do Simões Filho Online

O deputado estadual Marco Prisco utilizou as redes sociais para afirmar que pagou todo o enterro do policial militar Gustavo Gonzaga da Silva. O agente foi assassinado no último sábado (9/6) no bairro da Santa Cruz, em Salvador. De acordo com a publicação do parlamentar, o funeral custou pouco mais de R$ 3 mil.

“Depois de ficar tudo certo que o Estado arcaria com as despesas do sepultamento do guerreiro que foi brutalmente assassinado, faltando 10 minutos pra o horário do enterro, a administração do Campo Santo informou à família que não aconteceria porque as despesas não haviam sido pagas”, escreveu o deputado.

Ainda segundo Prisco, o comando da Polícia Militar chegou a dizer que pagou as despesas. “Resolvi escrever esta mensagem porque não aguento mais tanta mentira. Não ia falar nada, mas a tropa precisa saber quem é a PMBA”, disparou. “O que queremos, com o dito, é que todos os baianos saibam como os PMs e BMs são tratados pelos governantes. Governo do Estado da Bahia, o policial baiano merece respeito!”, complementou o parlamentar.

CLIQUE AQUI E VEJA A NOTA DO FUNERAL

O comando da corporação não gostou da atitude. Por meio de nota, a Polícia Militar chamou a atitude de “oportunista”. O esclarecimento, que não cita o nome de Marco Prisco em momento algum, diz que “políticos com objetivos espúrios tentam, de forma leviana, deturpar, mentir de forma cruel e ludibriar em momentos que deveríamos ser norteados pelo respeito à dor e não pelo oportunismo político”.

A PM informou ainda que “esteve todo o tempo dando o suporte à família e deixando bem claro todos os procedimentos legais e pecuniários para a realização da cerimônia e não houve um pedido explícito de qualquer familiar informando que não dispunham do valor para complementar o que é legalmente disponibilizado”.

CONFIRA, NA ÍNTEGRA, A NOTA DA PM:

Mais uma vez, na proximidade do período eleitoral, políticos com objetivos espúrios tentam, de forma leviana, deturpar, mentir de forma cruel e ludibriar em momentos que deveríamos ser norteados pelo respeito à dor e não pelo oportunismo político.

A Polícia Militar da Bahia esclarece que disponibilizou o valor previsto em lei à família do Cabo Gonzaga para a realização do funeral e sempre está atenta aos pedidos da família enlutada para ampliar a atenção no que for possível.

O fato é que não houve tal manifestação nessa oportunidade, o Departamento de Promoção Social esteve todo o tempo dando o suporte à família e deixando bem claro todos os procedimentos legais e pecuniários para a realização da cerimônia e não houve um pedido explícito de qualquer familiar informando que não dispunham do valor para complementar o que é legalmente disponibilizado.

Infelizmente, sofremos com o oportunismo de alguns que, encontrando uma brecha na fragilidade de uma família enlutada, preferem utilizar-se desse momento de desespero para semear dividendos políticos, às custas da dor de uma família e da fragilização de uma honrada instituição.

Ao final, praticamente, o que vimos foi o representante legítimo da tropa policial militar baiana presente no momento da mais profunda dor daquela família enquanto oportunistas confabulavam nos bastidores sobre como poderiam se aproveitar daquele momento.

Aos nossos milhares de policiais militares baianos fica o compromisso da nossa instituição em cuidar e amparar a todos quando os momentos de dor e angústia se fizerem presentes, da forma que pudermos e estiver ao nosso alcance.