Simões Filho: Familiares e amigos de mototaxista revelam momentos de terror e desespero

Amigos e vizinhos lotaram a casa dos pais de Valdir na manhã desta quinta-feira.

Autor: *Jornal Correio

Publicada em


Valdir morreu no quintal de casa (Foto: Reprodução)

O empilhador e mototaxista Valdir Cruz de Oliveira, 40 anos, foi morto a tiros em casa, no município de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), após um jovem que estava em fuga entrar no local para se abrigar. O caso aconteceu por volta das 19h, na Praça Nova Pitanga, no bairro de Pitanguinha Nova. Outras duas pessoas morreram na mesma situação, de acordo com a Polícia Militar.

Segundo informações dos familiares de Valdir, que preferiram não se identificar, Lucas Moab da Silva Santana, 22, morreu na cozinha da casa, com vários tiros, mas ainda não está claro como ele conseguiu entrar na residência da vítima.

A esposa de Valdir, que estava no primeiro andar da casa, contou que viu o marido pela última vez sentado no sofá. Ela tinha subido para dar banho no filho, quando ouviu os disparos dentro de casa.

“Foi assustador, foram mais de 15 tiros, eu não vi mais meu marido, tinha deixado ele tomando café. Quando estava descendo, vi um homem correndo, depois vi um outro passar com um capacete na cabeça da sala pra cozinha. Imediatamente, eu voltei e me tranquei no banheiro com meu filho”, contou.

Ela só se sentiu segura para descer quando ouviu o sogro gritar do lado de fora da casa. Ao descer, ela viu um rastro de sangue pela casa e se deparou com o corpo de Lucas embaixo da pia da cozinha. Valdir estava caído ensanguentado do lado de fora da casa, no quintal. Eles foram socorridos para o Hospital Municipal de Simões Filho, mas não resistiram aos ferimentos.

Valdir estava de folga do trabalho e pretendia ir com a mulher e o filho, de 10 anos, para uma casa de veraneio alugada em Jauá, segundo o pai, que socorreu o filho no próprio carro. “Ele só não foi porque a esposa chegou tarde do trabalho, preferiu não ir àquela hora, mas antes tivesse ido sozinho. Muito difícil para mim, como pai”, disse. O pai de Valdir afirmou que ainda não conseguiu entender como Lucas entrou na casa. “Eu acredito que  o portão estava aberto ou meu filho abriu a porta achando que era alguém conhecido”, considerou.

Antes dos disparos, a esposa de Valdir ouviu um barulho de alguém batendo em algo, mas não conseguiu identificar o que seria. A porta por onde Lucas deve ter entrado é de alumínio e não estava danificada, por isso, os familiares acreditam que o jovem não tentou arrombá-la. Ainda de acordo com o pai do mototaxista, eles não costumavam sair ou entrar pelos fundos, por onde o jovem passou correndo. A família disse que o mototaxista foi baleado primeiro e caiu ainda no quintal de casa, em seguida, o atirador seguiu e alcançou Lucas na cozinha, onde ele caiu baleado.

Portão por onde Lucas Moab pode ter entrado na casa de Valdir tem marcas de tiro
(Foto: Tailane Muniz/CORREIO)

Cunhado de Valdir, o autônomo José Conceição Passos, 61, ficou chocado com a situação. “Era um rapaz tranquilo, trabalhador, tinha o trabalho fixo e ainda tinha táxi e era mototaxista nas horas vagas. Amigo de todo mundo, era conhecido, era um cara do bem. Foi uma tragédia isso”, comentou.

Amiga da família do empilhador, a motorista Dirlene Soares, 49, foi prestar apoio aos parentes da vítima. “Olha, era um menino bom demais, a gente fica assim, sem querer acreditar. Uma lástima”, pontuou.

Amigos e vizinhos lotaram a casa dos pais de Valdir na manhã desta quinta-feira para prestar solidariedade. Valdir morava com a mulher e o filho no mesmo terreno da casa dos pais, que residem no local há 38 anos. Ele é o mais velho de sete irmãos. Amparada pelos familiares, a mãe de Valdir parecia não acreditar na morte do filho. “Meu filho morreu dentro de casa, que violência é essa, meu Deus”, dizia, aos prantos.

Na Rua da Granja, próximo à residência do mototaxista, também por volta das 19h, Nailton da Silva dos Anjos, 23, foi morto a tiros. Ele foi atingido por sete disparos e levado para a UPA de Simões Filho, mas não resistiu e morreu na unidade. A autoria dos disparos é atribuída a dois homens em uma moto.

Familiares de Valdir disseram que não acreditam que esse caso tenha relação com a situação em que o empilhador foi morto. Segundo eles, embora estivesse usando capacete, a pessoa que matou Lucas e Valdir fugiu em um carro roubado de uma mulher, em uma rua próxima. O mototaxista foi enterrado às 16h, no Cemitério de Simões Filho.

*Informações do Jornal Correio