Simões Filho: Ação pede à Justiça que impeça posse de vereadores eleitos e recontagem de votos

Candidato pede a Justiça uma recontagem no resultado que elegeu 19 vereadores.

Autor: Simões Filho Online

Publicada em


Sob a alegação de ” supostas, irregularidades que ferem o código eleitoral” colocam em dúvida desde o processo de registro de candidaturas, pelo não cumprimento da cota de gênero até a totalização” da contagem nas eleições municipais, o Paulo Sérgio Pessoa de Jesus pediu à Justiça Eleitoral uma recontagem no resultado que elegeu 19 vereadores em Simões Filho.

Em petição a 33ª Zona Eleitoral protocolada nesta quinta-feira (13), Paulo Pessoa, que foi candidato a vereador pelo PSDC, cobrou a abertura de um processo para verificar a totalização dos votos. No documento, é mencionado a existência de irregularidades após o exame das porcentagens do total de votos apurados, no site do TSE. Paulo esta sendo representado pelo Advogado Dr. Raimundo Nonato de Oliveira Castro – OAB – 33.195.

Paulo Pessoa foi candidato a vereador pelo PSDC

Entre os pedidos, está a “Suspensão de diplomação dos vereadores eleitos”, até o julgamento final dos recursos impetrados contra três coligações da base de apoio do prefeito eleito Dinha Tolentino (PMDB), todas por descumprimento das cotas de Gênero.

A representação Paulo não relaciona nenhuma denúncia concreta. Mas cita, na petição, a necessidade de “coibir, esse tipo de fraude, perpetrado na calada da noite, por manipulação rasteira e grosseira no “Flash Card” das urnas, na cerimônia de Geração das Mídias, ou durante a Carga e Lacração de Urnas, realizadas ao arrepio da Lei, no vizinho município de Camaçari, sem a presença física dos fiscais partidários, conforme determina o artigo 24 da Resolução 23.456:2015 do Superior Tribunal Eleitoral”.

O pedido ainda requer uma “perícia em todas as urnas utilizadas nas eleições”.

Nulidade do pleito

A possibilidade de nulidade da eleição está sendo ventilada nos bastidores da política em Simões Filho. De acordo com o Código Eleitoral, a nulidade pode acontecer em casos de fraude na eleição. A Justiça Eleitoral poderá anular a eleição em Simões Filho se comprovar fraudes em mais da metade dos votos. Caso isto se comprove através da ação de Paulo, uma nova eleição é marcada em prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.

Outo lado

Em nota divulgada na Rede Social, o vice-presidente do Democratas em Simões Filho, Ferdnand Andrade, disse que “Paulo Pessoa na verdade está tentando tumultuar o processo eleitoral, acompanhamos os registros de candidaturas de todos os candidatos onde fizemos todas as alterações e modificações necessárias.

Ainda segundo Ferdnand, “o processo que ele deu entrada no primeiro grau já foi arquivado, o que ele está tentando ainda  é uma manobra para tentar tumultuar,  criar especulações e polêmica, más agora a gente já sabe que isso ai não irá render frutos, não vai criar qualquer tipo de tormenta e nem atrapalhar o mandato e a posse dos vereadores que foram eleitos. Já tomamos as medidas cabíveis, onde ele está sendo acionado pelos representantes das coligações para que ele esclareça isso judicialmente”, diz a nota.

MAIS NOTÍCIAS DE SIMÕES FILHO