Simões Filho: Bernadete revela como o suspeito de matar seu filho conquistou a confiança da família; “Qualquer pessoa cairia”

Autor: Simões Filho Online

Publicada em


Foto: Simões Filho Online

Três meses depois de ter o seu filho assassinado em Simões Filho, a ex-secretaria de Igualdade Racial Maria Bernadete Pacífico, 66 anos, disse que só agora está conseguindo forças para falar sobre a perda brutal de uma das pessoas que mais ama, o líder Quilombola Flávio Gabriel Pacifico dos Santos, 36 anos, conhecido como “Binho do Quilombo”, vítima de 16 tiros. Ainda abalada emocionalmente, ela  falou  com o Simões Filho Online, sobre, segundo ela, a pior dor que já sentiu na vida e revelou como o suspeito de cometer o crime chegou ao Quilombo e ganhou a confiança da família.

Como o suspeito se aproximou da família?

Bernadete disse que Léo chegou a comunidade, se aproximou de sua família demonstrando ser uma boa pessoa, manifestando interesse em ajudar o quilombo.

“Ele nos ajudava, demonstrava ser amigo, inclusive, me levava para o aeroporto quando eu fazia minhas viagens. Eu não conhecia esse outro lado dele, qualquer um cai numa situação como essa”.

“Primeiro ele chegou lá como um amigo. Depois inventou fazer uma associação, foi adquirindo forças com outras pessoas, querendo tomar o quilombo de qualquer forma, só que ele não achou apoio porque todos conhecem meu trabalho”, disse ela.

“A gente deu a terra para ele plantar pensando que tinham boas intenções”, conta.

Foto: Simões Filho Online

A mãe de Binho contou que o conflito aconteceu depois que Léo se apropriou de um terreno no Quilombo Caipora. Segundo ela, o local era uma reserva ambiental, e mesmo sem poder ser explorado, Léo começou a escavar o solo. “Eu cedi uma parte do terreno a ele para uma necessidade social e meu filho também confiou nele, até que ele começou a trazer problemas sérios para nossa comunidade”, explica.

“Ele demostrou ser uma pessoa amiga e eu caí nisso gente. Qualquer pessoa cairia”, diz Bernadete.

Binho faria aniversário dia 31. Com estão sendo os seu dias?

Para Bernadete os dias têm sido de muita tristeza e os sentimentos de dor e angústia ainda são seus companheiros diários. “É um sentimento de muita dor, é uma mancha que nunca sai – todos os dias são difíceis. Não temos o que comemorar, vai ser um natal muito ruim para nós, dia 31 seria aniversário dele e como fica essa mãe? Estou desesperada, não tenho cabeça para nada. Queria pergunta a mãe de Leandro, como fica para uma mãe vivenciar uma situação como essa?”, desabafa.

Onde a família busca o conforto para superar a perda de Binho? Como vai passar o Natal?

“É o primeiro Natal que vou passar sem meu filho”. Estarei rezando por todos, inclusive por ele que fez essa miséria com Binho”, disse.

Desolada, a ex-secretária conta que tem encontrado forças em Deus e no apoio de amigos, para se manter de pé, e que passará o Natal rezando para amenizar a dor e a saudade. “Deus é quem está me segurando, sempre vou às missas, e estou sempre arrodeada por amigos. Vou comemorar o Natal na igreja porque tenho muita fé em Deus”, ressalta.

Qual o principal projeto de vida interrompido com a morte dele?

“Binho só queria ajudar o próximo”, revela.

Binho do Quilombo – Foto: Arquivo

Você é capaz de perdoar os homens que tiraram a vida do seu filho?

Ele fez isso com meu filho, e não parou para pensar. Foi atrás de conversa de terceiros e também pela índole dele. Quem perdoa é Deus e a dor que estou sentindo é muito grande’, desabafa.

Que lembrança você vai guardar do seu filho Binho?

“São boas lembranças que me acompanham diariamente. Binho era meu ombro, estava comigo lado a lado, no meu dia a dia de trabalho, me acompanhava para todos os lugares, ele estava sempre comigo. Jamais vou esquecer meu filho“, suspirou.

Estou sendo ameaçada

Maria Bernadete também contou que está sendo ameaçada de morte. Ela não revelou se existem suspeitos de cometer as ameaças.

“Estamos recebendo ameaças, essa semana já recebi ameaças. Meu filho também corre perigo. Eu peço que deixe nossa família em paz. Não devemos nada”, pediu.

Foto: Simões Filho Online

Delegado fala sobre prisão do acusado

Ciro Carvalho Palmeira, o delegado responsável pelas investigações, explicou como chegou ao suspeito. Segundo ele, testemunhas foram ouvidas e provas do inquérito apontam para Léo, como sendo o possível autor dos disparos. “Dentro das provas do inquérito, existe uma grande possibilidade dele ser o autor dos disparos que vitimaram Binho do Quilombo”, disse o delegado em entrevista ao repórter Valfredo Silva.

Conforme o delegado, em depoimento, Leandro negou envolvimento no crime. No entanto, para a polícia, não há dúvidas de que o suspeito seja o autor dos disparos que vitimou Binho. “Nós temos elementos suficientes que comprovam que ele teve participação no caso. Resta agora confirmar a participação dos outros envolvidos, mesmo que seja através de provas indiretas e não por confissão”, explicou Dr. Ciro.

De acordo com a Assessoria de Comunicação da Polícia Civil,  “Léo vai cumprir prisão temporária de 30 dias, na Delegacia Local. A prisão pode ser convertida em preventiva conforme determinação judicial, caso o acusado venha a ser indiciado pelo crime. Ainda segundo a Polícia Civil, o Rapaz foi preso por volta das 13h30, desta quarta-feira (20/12), na região do Quilombo Caipora, no Distrito de Palmares, mesma comunidade onde ocorreu o homicídio. As investigações em torno do caso continuam.

Foto: Simões Filho Online