Simões Filho: Corpo encontrado no Cia 2 é removido para IML; Exame de DNA será realizado

Autor: Redação

Publicada em


Foi removido na manhã desta quinta-feira (14/02), para o Instituto Médico Legal (IML), no barris, o corpo encontrado no final da tarde de ontem (13/02), enterrado em um terreno que fica na comunidade de Portelinha, localizada às margens da Avenida Elmo Serejo Farias, na rua Rua Antônio Carlos Magalhães, próximo ao Centro de Recuperação Valentes de Gideão, no bairro do Cia 2.

A perícia da Polícia Civil confirmou que a vítima foi morta a tiros, mas não pôde precisar o calibre da arma utilizada. O corpo está em um grau de decomposição avançado a ponto de sua identificação só poder ser feita através do exame de DNA.

O cadáver foi encontrado pela equipe de Brigadistas Voluntários Motta, após ter sido acionado pela família do barbeiro Magno dos Santos Oliveira, que está desaparecido desde o dia 22 de janeiro.

Em nota, a assessoria de comunicação da 22ª CIPM, informou que o senhor Marcone Romério de Oliveira estava presente no local alegando que seu filho Magno dos Santos, morador do CIA II, se encontra desaparecido há 21 dias, contudo, após o corpo ser desenterrado o mesmo não conseguiu identificar o cadáver como sendo do seu filho, devido ao avançado estado de decomposição.

Depois de removido, o corpo foi levado para o Instituto Médico Legal, onde permanecerá por alguns dias para realização de exames de necropsia que vão confirmar a causa da morte.

Seu Marcone, pai de Magno, também irá comparecer ao IML para fazer o teste de DNA, e verificar se realmente é o corpo de seu filho. O IML ainda não divulgou uma data provável para a conclusão do exame.

O DESAPARECIMENTO DE MAGNO

Recentemente, Magno se separou da companheira e resolveu voltar para a casa da mãe localizada na Avenida Elmo Serejo de Farias, no Bairro Cia 2, em frente ao Codomino João Filgueiras.

No dia 19 de janeiro, Magno resolveu sair da residencia da mãe, alugou uma casa e mudou-se para o Loteamento São José, no bairro KM-30. Três dias depois  — uma terça-feira, 22 de janeiro  — o rapaz desapareceu de forma misteriosa. Desde então, os dias seguintes são de uma via crucis para a mãe de Magno, a dona de casa Vanusa Maria dos Santos Oliveira, de 48 anos. Ela foi aos comércios do bairro, conversou com moradores, visitou hospitais, IML, tudo para levantar informações que pudessem ser usadas para ajudar na busca pelo filho, contudo, não obteve nenhuma notícia. O telefone do jovem consta como desligado e as mensagens de WhatsApp não chegam.