Simões Filho é a 4ª cidade mais violenta do Brasil, aponta pesquisa

Autor: Leo Santos

Publicada em


Simões Filho e é 4ª mais perigosa do Brasil, aponta pesquisa
Simões Filho e é 4ª mais violenta do Brasil, aponta pesquisa. Foto: Simões Filho Online

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), elaborada em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgou nesta segunda-feira (05/08), o ranking dos municípios mais violentos do país que têm população superior a 100.000 habitantes.

De acordo com o Ipea, Simões Filho (BA), cidade da Região Metropolitana Salvador (RMS), voltou a liderar o ranking entre as cidades baianas, com taxa de 119,9 mortes para cada 100 mil habitantes. Atualmente, Simões Filho ocupa a 4ª posição no país. No ano passado, ela havia perdido a liderança para Eunápolis, no Sul do estado. Os eunapolitanos ainda fazem parte da lista, mas, agora, na 5ª posição na Bahia e a 20ª no Brasil, com 82,8 morte para cada 100 mil/ hab.

Ranking da Bahia

Segundo o Ipea, na Bahia, Simões Filho ocupa o 1º lugar, com taxa de 119,9 mortes para cada 100 mil habitantes. Na segunda posição aparece Porto Seguro, no Sul do estado, com 101,6 morte para cada 100 mil/hab, mesmo número do ano passado (101,7 mortes). Em seguida estão duas cidades da Região Metropolitana: Lauro de Freitas (com 99 mortes) e Camaçari (com 98,1 mortes).

Ranking Nacional

Ainda segundo o Ipea, no Ranking Nacional, Simões Filho está em 4º lugar, só perde para Maracanaú (CE) – 145,7, Altamira (PA) – 133,7 e São Gonçalo do Amarante (RN) – 131,2. O levantamento analisou 310 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes em 2017 e fez um recorte regionalizado da violência no país. Os cinco municípios baianos apontados como os mais letais são os mesmo que apareciam na pesquisa do ano passado, mas houve mudanças na ordem.

A taxa considera três dados: o número de óbitos por agressão, o número de óbitos ocasionados por intervenção legal, e o número de homicídios ocultos, que são os óbitos classificados como Mortes Violentas por Causa Indeterminada (MVCIs), mas que seriam, na verdade, homicídios.

“Procuramos dar um quadro mais geral não apenas dos dados socioeconômicos por região e UF, mas também das taxas de homicídios nessas localidades. Para isso, consideramos o conceito de taxa estimada de homicídios que inclui os homicídios ocultos, ou seja, a parcela do total de casos de MCVIs, que nós estimamos como sendo homicídios, mas que não foram classificados como tal”, diz a pesquisa.

O estudo aponta que facções criminosas que disputam o tráfico de drogas no estado estão entre as causas do aumento da violência nas municípios baianos. O levantamento cita, entre elas, o Bonde do Maluco (BDM), Comando da Paz (CP), Katiara e Caveira. O Atlas também diz que as duas maiores facções do país, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho (CV) estão presentes no estado e buscam se associar às quadrilhas locais no fornecimento de armas e drogas.

O que diz o Estado

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública da Bahia informou que os números apresentados pelo Atlas da Violência é diferente dos que foram registrados pela SSP, e disse que houve redução dos crimes violentos letais intencionais na Bahia desde 2017.

Confira a nota na íntegra: 

“A Secretara da Segurança Pública desconhece a metodologia utilizada pelo Atlas da Violência publicado esta semana, já que os dados apresentados pela pesquisa não condizem com números registrados. Diferente do divulgado, em Salvador, foram contabilizados 1.346 casos de homicídio no ano de 2017, menos 530 casos. Também há discrepância nos números apresentados pela pesquisa sobre os municípios de Simões Filho, Porto Seguro e Lauro de Freitas. Essas e as demais estatísticas criminais estão disponível no site da instituição (www.ssp.ba.gov.br). Ressalta, ainda, que a redução dos crimes violentos letais intencionais na Bahia ocorrem desde 2017, com destaque para 2018 com o menor número dos últimos seis anos, e segue em declínio até o primeiro semestre de 2019”.

Desova

A pesquisa não fala, mas a desova é um dos principais problemas de Simões Filho. Os corpos que sempre são encontrados no Centro Industrial de Aratu, por exemplo, são computados para Simões Filho e contribuem de forma determinante para que a cidade seja classificada no topo do Ranking. Anos e anos passaram e o Estado não tomou nenhum providencia para acabar com os pontos desova no município.

Ranking das 10 cidades violentas do país:

  1. Maracanaú (CE) – 145,7
  2. Altamira (PA) – 133,7
  3. São Gonçalo do Amarante (RN) – 131,2
  4. Simões Filho (BA) – 119,9
  5. Queimados (RJ) – 115,6
  6. Alvorada (RS) – 112,6
  7. Marituba (PA) – 100,1
  8. Porto Seguro (BA) – 101,6
  9. Lauro de Freitas (BA) – 99,0
  10. Camaçari (BA) – 98,1

Ranking da taxa de homicídios das capitais brasileiras:

  1. Fortaleza (CE) – 87,9
  2. Rio Branco (AC) – 85,3
  3. Belém (PA) – 74,3
  4. Natal (RN) – 73,4
  5. Salvador (BA) – 63,5
  6. Maceió (AL) – 60,2
  7. Recife (PE) – 58,4
  8. Aracaju (SE) – 57,4
  9. Manaus (AM) – 55,9
  10. Macapá (AP) – 54,1
  11. Boa Vista (RR) – 48,9
  12. Porto Alegre (RS) – 47,0
  13. São Luís (MA) – 46,9
  14. Goiânia (GO) – 40,7
  15. Teresina (PI) – 39,4
  16. João Pessoa (PB) – 38,9
  17. Porto Velho (RO) – 36,0
  18. Rio de Janeiro (RJ) – 35,6
  19. Palmas (TO) – 33,5
  20. Vitória (ES) – 30,6
  21. Florianópolis (SC) – 30,0
  22. Cuiabá (MT) – 28,8
  23. Belo Horizonte (MG) – 26,7
  24. Curitiba (PR) – 24,6
  25. Brasília (DF) – 20,5
  26. Campo Grande (MS) – 18,8
  27. São Paulo (SP) – 13,2