Simões Filho: Kátia Oliveira pede ao Governo do Estado Campus da Uneb para o município

Autor: Redação

Publicada em


CarlosAmilton/Agência-ALBA

A deputada Kátia Oliveira (MDB), com base no Regimento Interno da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), encaminhou indicação ao Governo do Estado, sugerindo a implantação de Campus da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) no município de Simões Filho, com a oferta de cursos presenciais e EAD, bem como a instalação de Parque Científico-Tecnológico nesta unidade, com foco em pesquisa e inovação.

O município de Simões Filho, integrante da Região Metropolitana de Salvador, possui cerca de 3.500 estudantes de nível superior cadastrados junto à Secretaria Municipal de Educação para uso do transporte universitário. Segundo a deputada, isso acontece porque, apesar de ser a sexta economia da Bahia e ter, aproximadamente, 140 mil habitantes, não há universidades públicas e privadas instaladas em seu território, exceto o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (Ifba).

Kátia relata que, em decorrência da falta de faculdades, os moradores de Simões Filho têm que se deslocar, diariamente, para Salvador, Camaçari e Lauro de Freitas, a fim de ter acesso à educação superior e completar a sua formação profissional. Ela considera que esse fenômeno traz repercussões financeiras graves para o município, afinal os jovens e adultos encontram-se fora do perímetro do município todas as noites, gastando seus recursos financeiros em outras cidades, enquanto ocorre o estrangulamento do pequeno comércio local.

A parlamentar destaca que a implantação da Uneb em Simões Filho foi um compromisso político assumido pelo então governador Jaques Wagner, em 2012, e reafirmado, em 2014, pelo governador Rui Costa, candidato na época. Por todos estes motivos expostos, a emedebista propõe a instalação de um Campus da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e construção de Parque Científico-Tecnológico no município de Simões Filho.

Segundo a parlamentar, uma unidade de ensino superior vai impactar na formação profissional da população local, “incentivando aqueles que desejam fazer um curso superior, além de dinamizar a economia da região”. Kátia diz que este novo Centro articularia as ações dos governos, as indústrias, as universidades e a própria sociedade civil na geração de um novo ciclo de progresso e geração de riqueza, concluiu