Simões Filho: “O que vemos aqui a noite é paredão, som alto, consumo de bebidas e drogas”, diz major

Autor: Simões Filho Online

Publicada em


Cinema, shopping, teatro, museus, competições esportivas são as reivindicações mais frequentes entre os jovens de Simões Filho, que reclamam que a cidade não oferece alternativas de lazer e cultura. As queixas pela escassez de programas voltados para esse público sempre foram comuns no município e aumentam no período de férias escolares, quando os adolescentes tem mais tempo livre. A inexistência de atividades culturais e o desejo de se divertir são a combinação perfeita para estimular, em alguns, a ingestão de bebidas alcoólicas e drogas.

Além da Segurança Pública, o combate à violência deve se basear antes de tudo na prevenção. E para prevenir que jovens não sigam o caminho do crime, nada melhor que indicar um caminho mais saudável, como os esportes, lazer e cultura.

Ao defender uma política de prevenção a criminalidade, durante coletiva de imprensa na manhã da última sexta-feira (10), o Comandante da 22ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), de Simões Filho, Major Fábio Dias, questionou a falta de lazer e cultura no município. “A gente passa a noite na cidade, qual é a diversão para Simões Filho?”.

O Major Dias sinalizou a falta de lazer para os moradores da cidade, em especial para jovens. “O que vemos aqui a noite é paredão, som alto, consumo de bebidas e drogas”, declarou.

O Comandante defende ações que levam a arte e cultura para as comunidades. Segundo ele, o poder público precisa abrir as escolas no final de semana voltados para esse público  na perspectiva de minimizar os índices de violência e o trabalho de conscientização com a população

“Precisa desconstruir isso – trazer a cultura – a arte. Agora, isso é uma semente que você precisa plantar. Se você não vinha nessa cultura, não é de uma hora para outra. Abrir a escola final de semana, trazer alguma liderança da comunidade que seja exemplo  – pra gente não ficar cultuando traficante – mostrar uma criança pobre que venceu na vida, trazer ela para um debate pra servir de referencia para esses jovens”, disse.

Durante a coletiva, uma das mais importantes ações destacados pelo Comandante tem como objetivo estreitar o contato com as instituições de ensino e com os alunos. O Proerd – Programa Educacional de Resistência às Drogas, ensina nas escolas as técnicas de autocontrole e resistência às pressões de amigos e de traficantes de drogas que tentam induzir os estudantes ao uso de entorpecentes.

“As drogas é o principal problema. Enquanto houver consumidor vai ter oferta e o nosso papel é o controle”, disse. Através do apoio da Comissão Permanente de Segurança da Câmara de Simões Filho, a PM deverá ampliar diversos projetos como teatro, palestras e debates nas comunidades para o enfrentamento da criminalidade e das drogas.