SIMÕES FILHO: Onde está meu filho? A busca de Dona Joana por Pedro Henrique e a última informação

Autor: Redação

Publicada em


São inúmeras as famílias que até hoje sofrem a ausência de seus parentes. Mães choram o desaparecimento de seus filhos sem terem sequer um túmulo onde depositar suas homenagens. Joana Darc Luz, 37 anos, mãe do mototaxista Pedro Henrique Luz Nunes, desaparecido, é uma delas. Pedro Henrique tinha 20 anos quando desapareceu, uma quinta-feira, ao sair da casa onde onde morava com a mãe, em Simões Filho, para se encontrar com seu amigo, Joelson Estanislau dos Santos Junior, 22 anos, que foi encontrado morto cinco dia depois – exatamente – na noite do dia 12 de fevereiro.

Nascida em 6 de setembro de 1979, dona Joana Darc transformou-se num exemplo de coragem e perseverança na busca da verdadeira história por trás do sumiço de Pedro Henrique e pelo direito de enterrá-lo dignamente. Nessa caminhada de dor e sofrimento, as informações confusas e desencontradas, muitas vezes obtidas extraoficialmente e sob sigilo, nunca desanimaram a dona de casa.

A ÚLTIMA INFORMAÇÃO

No início de abril deste ano, a família soube que Pedro Henrique estaria enterrado na região do KM 25, em Simões Filho, para onde teria sido levado após desaparecer.

Uma denúncia anônima chegou a informar que Pedro Henrique acabou caindo no que as pessoas classificam como uma “laranjada”.

De acordo os relatos, quando os assassinos pegaram o amigo do jovem – o Junior, disseram que não queriam Pedro Henrique, e o entregaram para outra facção criminosa. A informação que chegou até os familiares é de que teriam matado o mototaxista e enterraram atrás do condomínio residencial Bela Vista, no Jardim Eldorado, região do KM 25.

Em posse dessa informação, familiares acionaram os Brigadistas da Equipe Motta, que realizaram uma operação de buscas no local. No entanto, nada foi encontrado.

“Está sendo os piores momentos da minha vida. Estou sentindo muita falta do abraço dele, sinto falta da presença dele, sonho com meu filho direto, minha vida é chorar, só chorar. Eu evito chorar na frente dos meus outros filhos para eles não ficarem tristes, mas sempre que estou sozinha eu choro e a minha vida é essa”, conta Joana Darc Luz, mãe de Pedro Henrique.

Brigadistas da Equipe Motta realizaram uma operação de buscas

O ÚLTIMO ABRAÇO

Em entrevista à reportagem do Simões Filho Online, a mãe chorou ao lembrar do última vez que viu o filho no dia em que desapareceu.

“Ele chegou em casa fedendo a cachorro porque estava brincado com um cachorro lá na casa da noiva, e eu disse para ele tomar uma banho primeiro e depois me abraçar. Só que ele não deu o abraço. Eu não dei esse abraço. Eu só queria esse abraço”, conta Joana.

Pedro está desaparecido há 127 dias. Ele era morador do bairro KM 25 e trabalhava como mototaxista em um ponto localizado na rotatória do Bairro KM 30.

O jovem estava de casamento marcado com a universitária Dáleth Carvalho, 20 anos. O casal já estava pagando a festa programada para acontecer dia 12 de outubro deste ano.

O DESAPARECIMENTO

Na noite do dia 8 de fevereiro, o mototaxista Pedro chegou em casa por volta das 18h30, tomou um banho, vestiu uma roupa, passou na casa de seu amigo,Joelson Estanislau dos Santos Junior, 22 anos, e os dois saíram juntos. Junior foi encontrado morto na noite do dia 12 de fevereiro. Já Pedro Henrique, continua desaparecido.