SIMÕES FILHO: Sessão da Câmara é marcada com baixaria na tribuna; entenda

Segunda sessão da Câmara de Vereadores foi pautada por um clima tenso

Autor: Redação

Publicada em


Foto: Divulgação

A segunda sessão de 2018 da Câmara de Vereadores de Simões Filho foi pautada por um clima tenso de discussão entre os vereadores. O primeiro episódio ocorreu durante  apresentação da indicação feita pelo vereador Sandro Moreira (PSL), referente a criação de convênio com o governo do estado para construção de pátio para abrigar veículos apreendidos pelas polícias civil e militar, quando o vereador Eri Costa (DEM) após solicitar a palavra para discutir sobre assunto e receber o consentimento do criador do projeto foi interrompido pelo presidente da câmara Genivaldo Lima (DEM) e quando questionado por Eri alegou que como presidente poderia encerrar o debate do assunto e deixou o colega bastante irritado.

O vereador Orlando de Amadeu (PSDB) chegou a intervir sobre o assunto e com tons de ironia dirigiu -se a Sandro Moreira “Seu amigo governador não tá enviando recursos para coisas mais importantes na cidade como a regulação e a segurança, vai querer fazer convênio para abrigar carros apreendidos, não perca seu tempo”. alfinetou Orlando e o clima entre os edis começou a esquentar.

Foto: Montagem Simões Filho Online

O ápice da confusão ocorreu durante o pronunciamento do vereador Adailton Caçambeiro (PRP) que foi até o plenário apresentar indicação para construção de escadaria para ligação nas ruas Antonio Barros e Alfredo Barros em Góes Calmon. Durante a apresentação da indicação Adailton acusou o vereador Everaldo de estar querendo se aparecer gravando vídeos em reuniões  organizadas por ele para se exibir na internet, chamar atenção e confundir a população se apoderando da autoria de indicação de obras feitas por ele.

“Não sou vereador de reduto e sim do município, vou onde o povo me chamar, só não vou ficar gravando vídeos nos lugares tentando me apossar de uma indicação de obra que não for minha, só para me exibir para população. Não mando recado por ninguém não fico de ‘ti ti ti’, o que tenho de dizer eu digo na cara”, exclamou o Vereador Adailton, com tons de ironia e irritação.

Adailton acusou ainda o edil Cleiton Bolly Bolly (SD) de querer se aparecer e que ele não estava ali para isso, pois sua obrigação era buscar melhorias para o município e Bolly Bolly se defendeu dizendo ser um homem humilde e bastante conhecido, e que não precisava aparecer.

O vereador  Everaldo – Vel (PRP) foi chamado para discutir a matéria e por sua vez não deixou por menos: “Vou continuar gravando vídeo sim e não preciso pegar ponga nas indicações alheias pois tenho personalidade. Onde eu for solicitado pelo povo irei, até porque uma obra que você solicita eu também posso cobrar a execução ao prefeito Dinha”.

Vel foi interrompido pelo vereador Everton Paim (PSD), que pediu que Vel respeitasse os nobres colegas e não os tratar-se como “você”, pois estava ferindo o regimento da casa, quando o vereador Vel salientou que Adailton não precisava de advogado para defende-lo e encerrou dizendo ” Não tenho culpa que o bairro do km 30 está todo contra você, isso é problema seu”, salientou Vel referindo-se a Adailton.

Em retomada da palavra Everton Paim se explicou dizendo não estar defendendo Adailton e que o mesmo apesar de ter se exaltado era um bom parlamentar, e que não era advogado de ninguém mas que ali todos precisam obedecer as normas e o regimento da Câmara.

Os demais vereadores comentaram sobre o fato e a primeira dama e vereadora Kátia Cristina (PMDB) chamou atenção dos colegas e chegou a enfatizar a Orlando de Amadeu, presidente da comissão de ética da Câmara Municipal, que era preciso se fazer cumprir a ética e a ordem no local.