Simões Filho suspende transporte e manda fechar as lojas novamente

Autor: Redação

Publicada em


Simões Filho suspende transporte e manda fechar as lojas novamente
Foto: Simões Filho Online/Direitos reservados

A Prefeitura de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador, voltou a endurecer as regras contra o coronavírus (Covid-19). Após flexibilizar a abertura do comercio por 24 dias, e ver o numero de caso aumentar mais de 600%, o prefeito Diógenes Tolentino publicou novo decreto, onde suspende transporte coletivo intermunicipal no município e a venda Delivery com retirada de produtos na loja. Veja todas as novas medidas.

“Fica suspenso, pelo prazo inicial de 05 (cinco) dias, a contar de 19 de maio (terça-feira), a chegada e saída de qualquer transporte coletivo intermunicipal, público e privado, rodoviário, nas modalidades regular, fretamento, complementar, alternativo e de vans, no âmbito do município”, diz o decreto.

Ainda de acordo com as medidas, permanece suspenso o funcionamento dos estabelecimentos comerciais, sendo vedado a retirada em loja e os serviços de delivery, bem como qualquer atividade comercial, a partir de 18 de maio (segunda-feira).

Até o momento, a cidade tem 54 casos confirmados, 3 (três) vieram a óbito, 197 (cento e noventa e sete) suspeitos foram investigados e descartados, 10 (dez) em investigação (aguardam resultado do exame). 21 (vinte e um) dos 54 casos confirmados já estão recuperados da doença.

As novas medidas foram tomadas após reunião com o conselho de crise (formado pelos presidentes de diversos conselhos municipais), sobre orientação dos técnicos da saúde.

A Prefeitura ainda informa que considera necessário manter as medidas restritivas, com o objetivo de preservar a saúde da população Simõesfilhense e reforça ainda que segue empenhada em realizar ações para minimizar os impactos da pandemia. “Nesse sentido, foram criados os auxílios emergenciais Merenda em Casa, no valor de R$50 para os estudantes da rede municipal de ensino, e o Simões Filho Boa Gente, de R$ 220 para ambulantes, feirantes e trabalhadores informais, com atividades ligadas ao Mercado Municipal”, diz a nota.