Violência em Simões Filho deixa sequelas em jovens à procura de emprego

Autor: Mapele News

Publicada em


A escalada e a onda desenfreada da violência em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), nos últimos meses, começa a trazer sequelas e consequências bastante preocupantes, principalmente pela questão do desemprego. Ao mesmo tempo que destrói famílias, o crime afeta drasticamente a realidade econômica do município, à medida que o processo da crise econômica no país e com a ampliação da violência, as empresas necessitariam fazer maiores investimentos.

O desemprego afeta mais os jovens do que as demais faixas etárias, segundo dados da Pesquisa Mensal de Emprego divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A população que está entrando no mercado de trabalho, de 18 a 24 anos, já registra desocupação de 24,1% só no primeiro semestre de 2016.

O desdobramento da escalada da violência amplia a situação da insegurança, prejudica mais ainda pelos custos e transtornos enfrentados pelos empresários para atuarem frente à criminalidade, além disso, a falta de capacitação profissional e a imagem negativa em torno do município; reforçam a desistência de empresas contratarem a mão de obra local.

“O desemprego contribui para aumento da violência e a violência com certeza afeta o mercado de trabalho, já que os empresários devem se sentir inseguros para contratar e dar oportunidades as pessoas da cidade. Eles não querem dar emprego lá fora”,  disse um jovem.Um grupo de jovens em contato com a equipe de reportagem do “Mapele News”, criticaram os governos na esfera municipal, estadual e federal por não investirem em políticas públicas voltadas para a qualificação da juventude. De acordo com a jovem Ana Cláudia, 21 anos, a presença do poder público com o investimento na capacitação profissional e ações atrativas para que as empresas nos diversos setores, empreguem a mão de obra local, reduziria os problemas da criminalidade na cidade.

Foto: Reprodução

Outro adolescente, que também preferiu não se identificar, avaliou que a “entrada no mundo do crime é muitas vezes a única saída para quem não consegue trabalho”. “As pessoas tentam, mas sem oportunidade acabam escolhendo outros caminhos. Afinal, todo mundo precisa sustentar suas famílias”, acrescentou o jovem que ainda considerou a real situação extremamente lamentável.

“Nós que moramos aqui em Simões Filho estamos cansados de sermos rejeitados no mercado de trabalho e a violência tem contribuído para que as empresas fecham as portas para nós. Somos cidadãos de bem e precisamos ser respeitados, mas para isso, é preciso uma ação do poder público para que realmente nós tenhamos esperança de dias melhores e a garantia de emprego”, declarou o jovem; que após concluir o ensino médio vive o drama do desemprego.

Foto: Reprodução

Os jovens disseram ainda, que esperam que os desafios para corrigir essas situações; ampliem forças, através, de ações concretas pela gestão pública.

Os últimos meses do ano de 2016,  a violência vem crescendo em Simões Filho e no correntes mês, mais de 20 homicídios dolosos já foram registrados. Na manhã desta sexta-feira (25), um Soldado da Polícia Militar foi baleado no abdômen ao realizar uma diligência junto com a guarnição, na localidade conhecida como ‘Fazenda Nova’, na região do bairro Pitanguinha Velha.  A situação é preocupante, em vista, que os moradores, principalmente em situação de desemprego, temem que Simões Filho amargue a volta de “cidade mais violenta do pais”.

“Cheguei à uma empresa pra fazer entrevista  e a entrevistadora mim perguntou onde eu morava e quando disse que era em Simões Filho a mulher fez logo uma cara de medo. Já imaginei que não conseguiria o emprego, mas também não poderia mentir. O sentimento é de extrema desolação. O que será de nós, simões-filhenses, sem uma educação digna, sem capacitação profissional e sem emprego?”, lamentou um jovem que procura emprego na área de logística.

Em mais uma tentativa de pôr um freio na violência, um colegiado composto por 19 membros, dos diversos segmentos da sociedade civil se articulam para criação do Conselho da Segurança dos Direitos Humanos e Cidadania. Na última sexta-feira (25), apesar do Chefe do Legislativo simões-filhense conceder a Plenária da Câmara para realização do II Fórum de Debates sobre a Violência, lamentavelmente o evento não contou com a expressiva participação dos parlamentares.“Não demorou muito para a entrevistadora fazer o questionamento –  “É verdade que a cidade onde você mora é violenta?”, acrescentou.

A expectativa é que o município receba o programa “Pacto pela Vida” e bases comunitárias sejam implantadas nas associações de moradores dos bairros.

Ainda de acordo com uma pesquisa do IBGE, a violência dentro e fora da sala de aula afeta estudantes em todo o Brasil. Quase 15% dos alunos do último ano do ensino fundamental disseram que deixaram de ir para a escola em algum momento por causa da insegurança.

Estudantes relatam também a proliferação dos assaltos, principalmente no centro da cidade. “A qualquer momento somos assaltados, o medo de perder celulares e outros objetos é intenso. Nós estamos enfrentando uma onda de medo e insegurança e só mesmo Deus para nos guardar. É preciso o fim para esta violência que afeta a população, porque sabemos que a maioria são pessoas de bem e precisamos resgatar o respeito e a dignidade”, declarou a  mãe de uma aluna que pediu que não fossem identificadas.

*Mapele News