Sob ameaça de demissão, funcionários do Hospital Municipal de Simões Filho entram em desespero

Autor: Redação

Publicada em


Funcionários da empresa terceirizada que presta serviços ao Hospital Municipal de Simões Filho (HMSF) estão em um verdadeiro desespero. Segundo informações dos próprios servidores, há um indicativo de que a prefeitura local não irá renovar o contrato de prestação de serviço com a Associação de Proteção a Maternidade e a Infância (APMI), que termina no próximo dia 31 maio. A APMI é uma entidade sem fins lucrativos, contratada pelo município, que responde pelo atendimento no Hospital da cidade.

Diante da ameaça de demissão em massa, os funcionários já amargam a preocupação de saírem da empresa “com uma mão na frente outra atrás”, como diria o ditado popular, haja vista que, nos últimos anos a APMI não cumpriu com os devidos repasses de INSS e FGTS de alguns trabalhadores, recolhidos mensalmente de cada servidor, conforme eles mesmos denunciam.

“A APMI termina o contrato dia 31 de maio e até o momento não temos uma resposta se vão pagar as nossas rescisões, já que há anos eles deixaram de repassar o FGTS e INSS. O último depósito em minha conta de FGTS foi em 2016”, relatou uma funcionária que pediu que seu nome não fosse citado como medo de sofrer represálias. Já a empresa APMI disse que “todas as responsabilidades legais, sobretudo com a efetivação do direito de seus contratados, serão devidamente avaliadas e formalizadas”.

Outra funcionária que contactou o SIMÕES FILHO ONLINE – e pediu anonimato – disse que alguns colaboradores já estão sendo demitidos desde o início de março. Em sua maioria, pessoas recém contratadas pela empresa. A reportagem conversou com um dos demitidos que demonstrou muita indignação. “Eles já estão começando a demitir funcionários. Estão começando pelos que tem pouco tempo trabalhando. Teve demitidos que tinham apenas um mês no emprego. Eles demitiram os novatos. É um absurdo isso, estou revoltado. O pior foi de assinarem a carteira apenas 1 mês”, disse.

Preocupados com o pagamento de suas verbas rescisórias, os servidores temem possíveis dificuldades para a manutenção de suas famílias. São diversos pais e mães com receio de perderem o sustento de seus filhos depois de três longos anos de trabalho dedicados ao HMSF.

Como se não bastasse o fim do contrato marcado para maio deste ano, um decreto publicado pela prefeitura no último dia 21 de março constitui comissão e designa membros para apurar supostas irregularidades na atividade da empresa que administra o hospital, sob pena de ter o contrato reincidido antes da data prevista, o que aumentou ainda mais a sensação de desamparo nos funcionários.

RESPOSTA DO HOSPITAL

O SIMÕES FILHO ONLINE entrou em contato com a Assessoria de Comunicação do Hospital Municipal de Simões Filho (HMSF) e por meio de nota, o órgão se manifestou sobre as denuncias e disse que é falso qualquer ato de violação aos direitos trabalhistas por parte da instituição. Quanto à afirmação de que demissões estariam acontecendo, a empresa disse que tal informação não procede. [Confira a nota abaixo na Integra]

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Prezados,

Por meio desta, a Associação de Proteção à Maternidade e a Infância de Castro Alves (APMI)-atual administradora do Hospital Municipal de Simões Filho (HMSF)- vem a público esclarecer e tranquilizar todos os colaboradores da unidade hospitalar.

Nós, da APMI, sempre priorizamos a polidez e transparência em todos os serviços, sejam eles internos ou externos. Assim sendo, certificamos que não seria diferente a extensão de tais valores, no que diz respeito à incumbência com cada colaborador que se dedica diariamente no exercício de suas funções.

Como já noticiado anteriormente, a APMI segue realizando suas atividades normalmente até o final do contrato com a Prefeitura Municipal de Simões Filho; atestando que, todas as responsabilidades legais, sobretudo com a efetivação do direito de seus contratados, serão devidamente avaliadas e formalizadas. Ou seja, é inautêntico qualquer ato de violação aos direitos trabalhistas por parte desta instituição; prezamos e pregamos o respeito em todas as esferas de atuação!

Quanto à afirmação de que demissões estariam acontecendo; tal informação não procede.

Aproveitamos o ensejo, para manifestar a gratidão e o reconhecimento pelo trabalho singular de cada colaborador.

Isto posto, permanecemos à disposição para eventuais esclarecimentos.

VEJA MAIS NOTÍCIAS DE SIMÕES FILHO