Surto de dengue em Simões Filho – Veja a lista de Bairros

Diversos bairros da cidade já foram notificados por conta da dengue

Autor: Redação

Publicada em


A cidade de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador, está em alerta por causa de um surto de dengue e um caso de Ckikungunya confirmado e outros em analise laboratorial. A população deve ficar atenta quanto à proliferação do mosquito transmissor da dengue e da febre Chikungunya, pois há uma elevação dos focos no município.

Para ajudar no controle da dengue, a Vigilância Epidemiológica fez um levantamento que identificou os bairros que já tem notificações.  Os bairros são: CIA I, CIA II, Ponto Parada, Luiz Eduardo Magalhães, Jardim Renatão, Barreiro, Km 30, Km25, Góes Calmon, Simões Filho I, Tiro Seguro e Centro da cidade.

Segundo informações da Vigilância Epidemiológica de Simões Filho, 14 casos de Dengue já foram confirmados. Sendo que somente no bairro Simões Filho 1, foram 12 registros. A suspeita é de que um ferro velho seja o desencadeador da proliferação do aedes aegypti na localidade. Barreiro e Cia I,  também já tem casos confirmados.

A Vigilância Epidemiológica informou ainda que mais de 50 casos estão em análise laboratorial e está aguardando os resultados dos exames.

A dengue é uma doença infecciosa febril transmitida por um mosquito, o Aedes aegypti, e dura em torno de dez dias. Os sintomas são: febre, dor de cabeça, dores no corpo, nas articulações e por trás dos olhos, podendo afetar crianças e adultos.

Veja Também em Simões Filho
Tensão e preocupação em Simões Filho – Doença pode ser transmitida através do espirro; Veja as recomendações

Já a febre Chikungunya é uma doença causada por um vírus do gênero Alphavirus transmitida por insetos do gênero Aedes. O Aedes aegypti (o mesmo transmissor da dengue) e o Aedes albopictus são os principais vetores. A infecção pelo vírus Chikungunya provoca febre alta, dor de cabeça, dores nas articulações e dores musculares. O período médio de incubação da doença é de três a sete dias (podendo variar de um a doze dias). Não existe tratamento específico, nem vacina disponível para prevenir a infecção por esse vírus.

O Inimigo não mora na rua

O inimigo mora com a gente e não na rua. Cada um tem que cuidar da sua casa e conscientizar os vizinhos sobre a importância de fazer o mesmo. Se todos fizerem a sua parte a comunidade sofre menos.

Dicas para evitar a proliferação do mosquito:

Cuidado especial no armazenamento e destinação do lixo, mantendo-o em recipiente fechado e disponibilizando-o para recolhimento pela Limpeza Urbana na freqüência usual;

Jamais descarte o lixo ou qualquer outro material que possa acumular água no quintal de casa, no quintal de vizinhos, na rua ou em lotes vagos;

Mantenha a caixa dӇgua sempre limpa e totalmente tampada;

Mantenha as calhas livres de entupimentos para evitar represamento de água;

Elimine os pratinhos de vasos de plantas; caso não seja possível, mantenha-os limpos e escovados pelo menos três vezes ao dia;

Mantenha limpos e escovados os bebedouros de animais domésticos; a água deve ser trocada diariamente;

Mantenha piscinas sempre em uso e devidamente tratadas;

Atenção especial ao sair de férias para que esses cuidados estejam garantidos na ausência do morador;

Caso perceba a manifestação de qualquer sintoma de dengue ou febre Chikungunya, procure imediatamente o centro de saúde mais próximo.

Ter dengue uma vez deixa a pessoa imune a uma segunda picada?

Não. Cada pessoa pode apresentar dengue até quatro vezes, que é o número de tipos do vírus que causam a doença. Quando infectadas por um deles, as pessoas se tornam imunes a essa variedade do vírus, mas não às outras.

Por que ter dengue pela segunda vez é mais perigoso?

Ter dengue pela segunda (terceira ou quarta) vez é mais perigoso à saúde porque o risco de a doença evoluir para a forma hemorrágica se torna muito maior. Segundo a infectologista Thaís Guimarães, quando uma pessoa é contaminada novamente pelo vírus da dengue, a reação de seu sistema imunológico é muito mais agressiva e capaz de desencadear esse processo hemorrágico. “Pessoas com dengue pela primeira vez podem ter dengue hemorrágica, mas isso é muito raro”, diz a médica.

Qual é a diferença entre a dengue comum e a hemorrágica?

A dengue é uma doença única. Sua forma hemorrágica ocorre quando o problema evolui de sintomas leves ou moderados, como febre e dores de cabeça, para sangramentos, que podem acontecer desde na gengiva até nos órgãos gastrointestinais. Segundo o infectologista Ésper Kallás, cerca de 1% dos casos de dengue são do tipo hemorrágico. Os sinais que podem indicar que uma pessoa está com dengue hemorrágica incluem sangramentos (na gengiva, genitais e nariz, por exemplo), vômito, dor muito forte de barriga, diarreia persistente, manchas pelo corpo e tontura.