Uneb amplia sistema de cotas para transexuais, travestis, ciganos, autistas e quilombolas

Autor: Redação

Publicada em


Do Aratu Online, parceiro do Simões Filho Online

A Universidade do Estado da Bahia (Uneb) aprovou na última semana a ampliação do sistema de ação afirmativa para segmentos sociais historicamente discriminados e passará a disponibilizar vagas com cotas para transexuais, travestis, transgêneros, quilombolas, ciganos, pessoas com deficiência, transtorno do espectro autista e altas habilidades.

Cada grupo contará com 5% das sobrevagas, além das 40% pré-estabelecidas para estudantes que se autodeclaram negros e 5% para indígenas. As cotas passarão a valer para todos os processos seletivos de cursos de graduação e de pós-graduação do próximo ano. Do total de vagas, 60% é destinado para candidatos não-cotistas.

Para concorrer às cotas, o candidato deve também ter cursado todo o segundo  ciclo do ensino fundamental e o ensino médio exclusivamente em escola pública e possuir renda familiar mensal de até quatro salários mínimos.

A UNEB foi a primeira universidade do Nordeste e a segunda do país a instituir cotas sociorraciais, em 2002, para ingresso em todos os seus cursos de graduação e pós-graduação, reservando 40% das vagas para negros e, posteriormente, 5% de sobrevagas para indígenas.