Veja quais estados não adotam novo salário mínimo de R$ 1.100

Veja quais estados não adotam novo salário mínimo de R$ 1.100
Veja quais estados não adotam novo salário mínimo de R$ 1.100

Veja quais estados não adotam novo salário mínimo de R$ 1.100.

Desde a última sexta-feira, 1º de janeiro, o novo salário mínimo nacional passou a ser de R$ 1.100 . O valor é 5,26% maior que o piso nacional vigente em 2020, R$ 1.045. O aumento, de R$ 55, é explicado pelo reajuste inflacionário.

>>Caixa libera mais uma etapa de saque em dinheiro do Auxílio Emergencial

A maioria dos estados brasileiros seguem o salário mínimo nacional, mas outros tem pisos regionais. Em 2021, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul terão salários mínimos maiores do que o nacional.

O salário mínimo regional é importante especialmente para trabalhadores do setor privado que fazem parte de categorias que não são contempladas em acordos coletivos, como domésticos.

>>Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 4 milhões

Corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que tem expectativa de uma alta de cerca de 5,2% em 2020 – dados oficiais serão divulgados no próximo dia 12 de janeiro. Assim como no ano passado, 2021 não terá alta real do salário mínimo , apenas a reposição pela inflação.

Confira o salário mínimo dos estados que não seguem o piso nacional

São Paulo: Ainda não foi definido o piso estadual para este ano. Atualmente, o estado adota o piso de 2019, com faixas de rendimento entre R$ 1.163,55 e R$ 1.183,33;
Rio de Janeiro: Também não definiu o valor para 2021. Hoje, faixas de rendimento vão de R$ 1.238,11 até R$ 3.158,96;
Paraná: Seguirá o índice de reajuste aplicado ao salário mínimo nacional, acrescido de 0,55%. Em 2020, valor variou entre R$ 1.383,80 e R$ 1.599,40, a depender da categoria;
Santa Catarina: Definirá o novo valor entre janeiro e fevereiro. O valor adotado em 2020 varia entre R$ 1.215 e R$ 1.391; e
Rio Grande do Sul: Piso para 2021 foi congelado, e ficará entre R$ 1.237,15 e R$ 1.567,81.

>>Covid-19: país registra 56,6 mil casos e 1,1 mortes em 24 horas

Fonte: Brasil Econômico (com adaptações)

Veja mais